Dieta radical ?

por Teco Mendes

Hello, friends!

É com muito prazer que estou aqui a convite do Hilton, para fazer este guest post.

Hoje quero falar das porradas que a paleo tem levado. Vamos entender.

Quando alguém menciona uma nova dieta ou estilo de vida, quase que automaticamente o ouvinte coloca na mesma cesta das dietas ditas como "da moda" ou "milagrosa" ou pílula emagreça 10kg em uma semana. E seguido disso, quando você comenta com seu amigo expert da academia a resposta deve ser: "Pare de inventar. Coma menos e exercite-se mais". Tipo o quadro "Medida Certa" do Fantástico, que saiu do ar porque todos participantes depois de receberem o cachê pela participação engordavam tudo de novo.

Eu entendo tudo isso. De verdade. As pessoas têm um bloqueio natural a qualquer coisa nova e sem analisar mesmo superficialmente, já refutam a ideia. Até aí, tudo bem. O grande problema não é convencer seu tio, o amigo da academia ou o namorado. Para isso eu sempre digo às minhas coachees que saem felizes do nutri paleo ou que depois de lerem um livro sobre o assunto passam pelo Paleodiário se sentem felizes porque vão emagrecer sem passar fome comendo coisas gostosas, mas que se abalam com a primeira crítica ou reprovação de alguns "experts": Trabalhe em silêncio e deixe seu sucesso falar por você. Quando estiver magro(a), saudável, feliz e sem compulsão, vão te implorar pelas suas palavras. O problema na verdade é quando pessoas vão a meios de comunicação, redes sociais, artigos, etc, e dizem à sua audiência que são contra a paleo sem o mínimo de estudo sobre o que realmente é este estilo de vida, para embasar suas palavras. E isso vai desde o "óleo de coco faz mal e deve-se usar canola" até que paleo "come carne crua" e é "dieta da proteína". Aí a coisa fica feia e até embaraçosa. Mas o desserviço foi feito. Quem lê ou assiste um profissional ou pessoa de "gabarito" falando essas besteiras já cria preconceito suficiente para não perder tempo lendo algo a mais. Afinal o doutor formado na universidade tal falou isso. "Com certeza deve talvez ser verdade eu acho".

Isso não é exclusividade do Brasil. Força contrária acontece no mundo todo. Mas por que alguns são tão motivados a isso? Simplesmente porque a paleo está indo contra vários conceitos, dogmas e paradigmas enraizados em nossas crenças e também contra a prática de muitos profissionais. Para muitos, aceitar que não se deve comer de 3 em 3 horas, que barrinhas de cereais não são uma boa, que várias horas sem comer é natural, saudável e não desgasta músculos, que bacon é mais aceitável que pão integral, que manteiga é melhor que margarina (por mais que tenha os dizeres "amiga do coração" na embalagem), é negar tudo aquilo que algumas pessoas pregaram a vida toda. Então se sentem agredidos e ameaçados e então têm duas opções: Analisar os novos e fortes estudos (mesmo que vá de encontro ao que estudoaram e acreditaram a vida inteira), aceitar e ter humildade para mudar (ou claro, não concordar com algo mas discutir). Ou sair esguelando mentiras aos quatro ventos pra "se defender". Ah, e tem o meio termo também. Alguns já estão aceitando que a lipofobia foi uma pegadinha e que gordura natural faz bem e margarina faz mal. Mas claro, só depois de institutos americanos liberarem a gordura inclusive o ovo, sair na revista Times, outros irrefutáveis estudos caírem na mídia tradicional etc.

Vamos então dar uma olhada nessa tal de Paleo:

  1. Baseia-se na idéia de alimentar-se conforme o padrão alimentar da nossa espécie durante sua evolução, e assim ter a melhor expressão de seus genes para a saúde. Comida de verdade e natural, não cérebro de macaco caçado pela manhã. Por favor entendam a diferença.
  2. Muitos vegetais, carnes, aves, ovos frutos do mar, peixes. E de novo, muitos em termos do que compõe a dieta individual. Não se come mais alimento que o necessário. Nem proteína!
  3. Gorduras naturais das carnes, azeites, óleo de coco
  4. Frutas vermelhas, coco, abacate
  5. Outras frutas com moderação porque por cruzamento ao longos dos anos já não são as mesmas originárias da natureza e sazonais. O homem as tornou muito mais doces e cheias de suco do que as frutas ancestrais.
  6. Também com moderação as oleaginosas.
  7. Sem grãos ou leguminosas (ou com consumo mais restrito) porque consideramos que tendo sido introduzidos recentemente na alimentação (por volta de 10.000 anos com advento da agricultura), não evoluímos o suficiente para evitarmos os vários efeitos negativos de seu consumo e lidar com os antinutrientes. E neste ponto simplesmente tiramos toda a base da pirâmide tradicional do cenário – e com ela o excesso de carboidratos das diretrizes atuais e o problema da farra da insulina e seus malefícios (algo que você já deve ter lido em vários posts aqui no Paleodiário ou no meu site, SendoPaleo).

Essa é a base. Questões sobre laticínios, pequenas indulgências como vinho, quantidades de carboidrato para cada caso (por maiores que sejam não chegam ao padrão de consumo atual), são questões dentro da paleo que alguns autores discutem entre si. Não é um parâmetro para refutar a idéia de alimentação natural. É procurar pelo em ovo, no contexto geral.

Aí você vê críticas assim: Não recomendamos nenhuma dieta que se elimine um grupo alimentar. Que grupo?? Os macronutrientes todos estão aí numa proporção que maximiza sua saúde e seu corpo agradece muito! Carbos, proteínas e gorduras. Ou estão chamando "sucrillhos com leite" pela manhã de grupo alimentar? Tem que colocar pão na dieta? O problema são os cereais ? Não existem vitaminas ou minerais que você não consiga tranquilamente de outros vegetais que não sejam grãos cereais.

Não lhe parece bacana você poder comer tudo isso conforme sua fome e sentir seu corpo naturalmente começar a regular suas reservas de gordura para quantidades adequadas, da mesma forma que ele regula seu pH, temperatura, etc ? Ele vai fazer isso com a quantidade correta (que sua fome dirá qual é) de alimentos certos, que evoluímos nos consumindo. 

Você tira gordura da dieta, tudo bem. Você tira carnes da dieta e se diz vegano, tudo bem. Você come McDonald's aos fins-de-semana e dizem que "tem que ter equilíbrio", "que no fim de semana pode", e tudo bem. Mas aí você diz que quer comer comida de verdade, sem açúcar, sem industrializados, com carnes e vegetais de preferência orgânicos e é acusado de pertencer a seita satânica ? Sim, parece brincadeira – mas recebi um post de uma nutricionista usando esses termos sobre quem segue o estilo de vida paleo. 

De onde vem essa raiva toda ? Talvez da paixão e da felicidade dos que seguem a paleo e sentem uma vontade enorme de dizer isso aos quatro cantos. Mas geralmente falamos entre nós mesmos. Atacar pessoas é fácil, apesar de errado. O certo, bacana, aceitável e super bem-vindo, seria discutir os estudos. Verificar os posts aqui do Paleodiário e de outros ótimos blogs nacionais sobre paleo que mencionam os estudos, e questionar a ciência na qual tudo se baseia. Talvez comparar estudo com estudo, ver onde possa ter alguma falha de interpretação, de abordagem, de conceito. Ou até tipos de estudo, partindo dos observacionais até a "nata" dos estudos, que são os ensaios clínicos randomizados. Essa parte é importante e já é feita no mundo paleolítco. Em resumo, não precisamos respeitar idéias mas devemos respeitar as pessoas. Mais amor por favor.

Mas não tem que ter um equilíbrio ? Não está muito radical ?

Sobre ser radical, seguir a risca tudo, compare com vegetarianismo. Há um espectro que vai desde o ovolacto que come ovos e derivados de leite como queijo, até o radical vegano que não come nem come ou usa roupas de couro. Você tem que decidir o quão paleo você quer ser. Qual seu nível de restrição, se vai comer algum grão considerado menos nocivo de vez em quando (como alguns tipos de arroz ou até um doce vez ou outra); uns dias com mais carbo, outros com menos; se vai comer tudo orgânico ou não etc. Mas tem uma pegadinha. Não se engane. Não use esse conceito para nutrir um certo vício. 

Dia do lixo ou refeição livre não é pra todo mundo, mas muitas vezes somos iludidos achando que pode. Tecnicamente ficar 95% numa dieta saudável e 5% fora é muito bacana. Mas se esses 5% fazem você não conseguir voltar, viver como se a felicidade só existe dentro do dia livre no qual você faz uma orgia gastronômica, e que a vida passa devagar num deserto de abstinência até chegar ao oásis do domingo livre, não faz sentido. 

E dá pra resolver isso sim! Dá pra ser MUITO feliz sem sustentar o vício e mudar a relação com a comida. Você iria a um encontro dos alcoólatras anônimos dizer que não precisam parar de beber e que uma cervejinha de vez em quando não faz mal ? Que você sempre fez isso e consegue ? Depois da surra que você iria levar, eles diriam: "Se conseguíssemos ficar só na cervejinha não estaríamos aqui". E você que sempre seguiu essa regra de exceção porque algumas pessoas conseguem, é então taxada de fraca, sem comprometimento, sem força de vontade. 

É radical nos livrarmos daquilo que nos faz mal ? Daquilo que nos prende a um estado de infelicidade ? Uma pessoa que abandonou a cocaína deve ter o "equilíbrio" de cheirar uma carreira de vez em quando ? Ninguém está falando pra você parar de comer brócolis ! Nem de comer algo fora da paleo de vez em quando, se REALMENTE esse for seu equilíbrio.

Essa geralmente é a parte na qual eu entro como Life Coach: você pode entender tudo, gostar da teoria e simplesmente não conseguir seguir o que sua nutri paleo recomendou. O vício no açúcar, a compulsão, o relacionamento ruim com a comida, a sensação de não querer parar de comer algo que você sente que tem um vínculo emocional (você sempre celebrou aniversário com bolos e doces, desde criança!) podem ser determinantes no seu sucesso para conseguir seguir essa dieta (ou até outras), você se frustra e sua autoestima vai lá embaixo – se já não estiver por lá. 

O importante é que às vezes temos a sensação de que, por não estarmos 20kg acima do peso, não termos síndrome metabólica, diabetes tipo 2, etc, muita coisa do que lemos não é para nós – e temos que ir pela força de vontade, que não dura o primeiro fim-de-semana. Não é assim. Há diferentes graus de dependência, e se você não está feliz deve tomar providência já. Você não tem noção da força e poder que estão dentro de si. Apenas não sabe disso. Se quiser saber mais, assista este video que eu fiz com uma dica muito legal para você conseguir seguir sua dieta a risca!

Acho que por hoje é isso, pessoal! 

Abraço,
Teco

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores