Uma caloria, não é uma caloria, não é uma caloria!

Artigo traduzido por Antônio Junior. O original está aqui.

por Colin McNulty



Programas de dieta na TV me deprimem. Eles me deprimem, porque 90% deles continuam a encaminhar o mesmo velho conselho , o que pode ser resumido como:

Mudança de peso = Calorias que entram - Calorias que saem

Essa afirmação foi demonstrada falsa 55 anos atrás.

Oh, eu gostaria que fosse assim. Eu gostaria que você pudesse reduzir os processos complexos no estômago a uma equação tão simples e básica, prontinha para as manchetes sobre  ciência que regem a vida da maioria das pessoas nos dias de hoje.

Eu assisto a esses programas e ouço então os chamados especialistas em alimentação dizendo: "Uma caloria é uma caloria, é uma caloria. Coma menos, exercite-se mais, e você perderá peso". E de fato, ao menos a segunda parte da frase às vezes é verdade para algumas pessoas, por algum tempo. Mas camufla a realidade da fisiologia humana e condena as pessoas a falhar, principalmente devido à fome que vão sentir em tal dieta restritiva de calorias, significando que eles não vão permanecer nela por muito tempo. Isso é porquê porque uma caloria, não é uma caloria, não é uma caloria! Nosso corpo não trata todas as calorias da mesma forma, porque proteínas, carboidratos e gorduras são fundamentalmente diferentes e os nossos corpos reagem a eles de maneira diferente.

Antes de mostrar que essa afirmação foi desmentida há 55 anos, isso é o que diz a Wikipédia cerca de 1 das 3 fases de digestão:

Fase gástrica – Esta fase dura de 3 a 4 horas. É estimulada pela distensão do estômago, na presença de alimento no estômago e diminuição do pH. A distensão ativa reflexos longos e mioentéricos. Isso ativa a liberação de acetilcolina, que estimula a liberação de mais suco gástrico. À medida que a proteína entra no estômago, ela liga-se a íons de hidrogênio, o que aumenta o pH do estômago. A inibição da gastrina e secreção de ácido gástrico é suspensa. Isto estimula as células G a liberarem gastrina, que por sua vez estimula as células parietais a secretar ácido gástrico. O ácido gástrico tem cerca de 0,5% de ácido clorídrico (HCl), o que reduz o pH para o desejado 1-3. A liberação de ácido também é desencadeada pela acetilcolina e histamina.

Calorias são calculadas queimando alimentos e observando o quanto isso aquece um recipiente com água. 


Esse processo é realmente apenas a mecânica básica de digestão e não aborda o trabalho das enzimas que quebram a comida, ou o processo de absorção, ou a resposta hormonal do corpo para o recebimento dos nutrientes constituintes do alimento. Você sabe como os cientistas reduzem tudo isso a um simples valor calorífico ? Calorias são calculadas pela queima de alimentos e observação do quanto ela aquece uma proveta de água. Como isso tem qualquer relação com o que realmente acontece em nosso corpo está além de mim. Dê uma olhada neste vídeo do processo:

O problema é que seu estômago não queima a comida!



Como a gordura libera mais energia quando queimada do que os carboidratos, ela aquece mais a água e por isso tem mais calorias. Portanto, se você acredita que a equação no início, gordura deve ser pior para você do que carboidratos. Esta é a base para o argumento "gordura má, carboidrato bom" que tem dominado a recomendação dietética moderna por décadas. O problema é, seu estômago não queima comida! E é aí que reside o cerne do problema. Nós temos certeza de que nossos corpos reagem de forma diferente a calorias de gordura, de carboidratos, ou de proteínas? Ah, sim, nós sabemos disto desde 1956 (e até antes disso, na prática).

Veja você, em 1956, houve um experimento feito, publicado em 28 de julho de 1956 na revista The Lancet (a principal revista médica do mundo) por Kekwick e Pawan, em Londres, para testar exatamente isso. Foi chamado: INGESTÃO DE CALORIAS EM RELAÇÃO ÀS MUDANÇAS DE PESO CORPORAL EM OBESOS. Eles fizeram 2 experimentos, cada um ao longo de cerca de um mês, em condições hospitalares.

Em ambos os experimentos, o consumo de água e de sal foram controlados para manter a ingestão total no mesmo nível para cada paciente em cada dieta (3 litros de água e 10g de cloreto de sódio por dia, se você quiser saber). Além disso a retenção e perda de água foram medidas e contabilizadas para obter uma visão real da real perda de peso (que não fosse água). Eles também consideraram a retenção de água devido aos ciclos menstruais das pacientes do sexo feminino (o que eles encontraram foi significativo)!



Experimento 1: Redução de calorias, Proporções Mantidas 


Nesse primeiro experimento, Kekwick e Pawan colocaram 6 pessoas obesas em dieta de 2000, 1500, 1000, e 500 calorias cada (após um período de estabilização), durante 7-9 dias cada. Não sem surpresa, como as calorias caíram, assim fez o peso. Todas as dietas mantiveram as mesmas proporções de proteínas (20%), carboidratos (47%) e de gordura (33%) (os três macros nutrientes).


Experimento 2: 1.000 calorias, proporções modificadas 


Para provar que a proporção de proteínas, carboidratos e gordura é sem importância se as calorias são mantidas a um nível determinado, um segundo experimento foi feito. Desta vez 14, pacientes obesos foram todos colocados em turnos de 3 dietas (novamente após um período de estabilização de peso). Cada dieta foi apenas de 1000 calorias, mas as proporções foram alterados para girar em torno de 90% de gordura, 90% de proteína e 90% de carboidratos (e uma dieta de controle de proporções normais). Isso deveria provar que uma caloria é uma caloria, é uma caloria, independentemente da sua origem, certo? É evidente que o resultado deveria ser que todos perdessem peso, e então fazê-lo na mesma velocidade, independentemente da maquiagem de macro nutriente. Errado! Citando diretamente do The Lancet, os autores disseram:

Tão diferente foram as taxas de perda de peso com essas dietas isocalóricas que a composição da dieta parece ultrapassar em importância a ingestão de calorias.


Estes são seus resultados reais, mostrando as taxas de perda de peso diferentes para cada paciente em cada dieta (o gráfico está meio que de cabeça para baixo, pois as barras acima da linha indicam perda de peso e barras abaixo da linha indicam o ganho de peso):




Não apenas vemos que cada um das quatro dietas de 1000 calorias resulta em uma taxa de perda de peso diferente, mas o que é mais surpreendente é que mais da metade dos pacientes na dieta de 90% de carboidratos na verdade ganhou peso. Esse é um momento OMG (N.T.: gíria para "Oh! Meu Deus"), se alguma vez eu vi um! Se você estiver em uma dieta de alto carboidrato, baixo teor de gordura, baixa proteína, é melhor que suas habilidades de restrição calórica sejam incríveis se você quiser perder peso. Certamente isso mostra que você precisa praticamente morrer de fome, a fim de perder peso.

Experimento 3: Aumentar Calorias, Proporções modificadas


Kekwick e Pawan em seguida vieram com um terceiro experimento para confirmar suas descobertas, mas desta vez, ao invés de reduzir calorias, no formato de uma dieta normal, eles as aumentaram.

Após descobrirem um patamar de peso estável em uma dieta de 2.000 calorias (todas as pessoas ganharam peso em uma dieta de 2000 durante 7 dias), eles aumentaram as calorias em 30%, passando para a 2.600 calorias por dia – mas mudaram a proporção de altos teores de gordura e proteína. Mais uma vez em suas palavras:

Foi demonstrado que estes pacientes em geral poderiam manter ou ganhar peso com 2000 calorias, mas exceto em um caso, perderam peso consistentemente com uma ingestão diária de 2600 calorias.

Vamos deixar claro o que está sendo dito aqui. Aumentar calorias em 30% desencadeou a perda de peso, apenas alterando as proporções dos macro-nutrientes. Isso é formidável! Isso não quer dizer que a restrição calórica não funciona, é óbvio que não. A questão é que a restrição calórica exige força de vontade considerável para a manutenção, e para a maioria das pessoas dieta não é uma solução a longo prazo. Lembre-se que se você usar a dieta como uma ferramenta emagrecimento temporário, e depois voltar para a sua dieta habitual, o seu peso também retornará ao seu níveis habituais pré-dieta. Para ilustrar este ponto, eu vou de novo citar diretamente a partir do estudo Kekwick e Pawan (amo a terminologia de 1950 usada):

Nesse estudo, as dificuldades são formidáveis. O primeiro e principal perigo foi que muitos desses pacientes tinham personalidades inadequadas. Na pior das hipóteses eles poderiam enganar e mentir, recebendo alimentos dos visitantes, a partir de carrinhos de entrega nas alas, e de pacientes vizinhos. (Alguns necessitaram quase o isolamento completo.) 

Resumo 


O ponto deste artigo foi demonstrar que uma caloria de carboidrato não é a mesma que uma caloria de proteína, e que não é a mesma que uma calória de gordura, e o estudo Kekwick & Pawan prova isso de forma conclusiva. No entanto, aqui estamos nós no presente, e a corrente principal da recomendação dietética ainda é cortar calorias para perder peso. É chocante que após 55 anos, ainda não tenham considerado uma investigação fundamental como esta. Lentamente eu vejo evidências de que o mundo está mudando, então eu tenho esperança. Anda afirmo que a história registrará o século XX como a idade das trevas de recomendação dietética, responsáveis por milhões, se não bilhões, de mortes prematuras.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores