Poderiam os chamados "saudáveis" óleos vegetais estarem nos tornando gordos e doentes?

Artigo traduzido por Antônio Junior. O original está aqui.

por James DiNicolantonio e Sean Lucan


Embora tenha sido reportado ao ponto de não chamar mais a atenção, ainda é chocante que 1/3 dos adultos americanos estejam acima do peso, com mais outro 1/3 (35,7%) sendo obeso. O atual nível de obesidade é particularmente notável quando se considera a trajetória surpreendente; de 1960-2010, a percentagem de americanos obesos quase triplicou em geral, e mais do que triplicou entre os homens. Além disso, o percentual de americanos extremamente obesos – essencialmente zero em 1960  –totalizou 6% da população em 2010. As linhas de tendência só parecem apontar para cima. E junto com cinturas em expansão, houve correspondentes altas em condições relacionadas, como diabetes, colesterol não-saudável e doença cardíaca.

Peritos têm adiantado os diversos culpados dietéticos como possíveis explicações para essas tendências alarmantes. Mas uma possibilidade interessante tem recebido pouca atenção: alguns dos óleos que fomos aconselhados a consumir.

A transição a partir de gorduras sólidas para gorduras líquidas


Com as preocupações do final do século XX acerca das gorduras saturadas na dieta e sua relação com doenças cardíacas, várias recomendações dietéticas apelaram para a substituição das gorduras saturadas por gorduras insaturadas. Como resultado, gorduras líquidas (vários óleos) substituíram gorduras sólidas (como manteiga).

Ao longo das últimas décadas, o consumo de óleos de vegetais e de sementes como as de algodão, de soja, milho, canola, cártamo e girassol, aumentaram substancialmente. Por exemplo, de 1970 a 2000, o consumo médio de óleo de soja passou de cerca de 2kg. por pessoa por ano para cerca de 13kg.

Todos os outros óleos mencionados acima, incluindo o óleo de soja, são ricas fontes de ácidos graxos insaturados. Em particular, muitos destes óleos são fontes ricas em ácido linoleico.

Podemos agora estar consumindo mais ácido linoleico do que nossos corpos evoluíram para lidar



Hoje, o ácido linoleico sozinho fornece até 8% do total de nossas calorias diárias, enquanto que para os seres humanos pré-agrícolas, o ácido linoleico teria contribuído apenas cerca de 1-3% do total de calorias diárias. Em outras palavras, podemos agora estar consumindo 2,5-8 mais vezes ácido linoleico do que nossos corpos podem ter evoluído para lidar durante as centenas de milhares de anos antes do relativamente recente advento da agricultura (e o advento ainda mais recente do processamento industrial de comida).

Poderia o evidente e recente aumento no consumo de ácido linoleico estar esmagado nossa tolerância, expandindo nossas cinturas e nos tornando doente? Talvez.

O ácido linoleico poderia estar aumentando nosso risco de obesidade e problemas de saúde relacionados


Sabemos a partir de experiências em camundongos, que o aumento da ingestão de ácido linoleico entre 1% e 8% pode resultar em sinais cerebrais que estimulam uma maior ingestão de alimentos e promover a engorda do corpo. Maior ingestão de ácido linoleico parece mascarar uma sensação de plenitude e de aumentar o tamanho das células adiposas. Administrando o ácido linoleico (ou melhor, a administração de óleo de soja, que é uma fonte generosa) parece produzir a obesidade e o diabetes em ratos e é mais prejudicial do que a administração quer do óleo de coco (alto teor de gorduras saturadas) ou frutose (um açúcar que demonstradamente promove a gordura abdominal e problemas de saúde associados).

No ser humano, o ácido linoleico pode contribuir igualmente para a obesidade e danos relacionados. Numa experimento randomizado, comparando a suplementação de óleo de soja contra a suplementação de óleo de coco, o óleo de coco (de novo, cheio de gordura saturada) parecia promover uma redução na gordura abdominal, ao passo que o óleo de soja, rico em ácido linoleico, não produziu tal redução e possivelmente tornou os participantes mais gordos enquanto definitivamente tornou seus perfis de colesterol piores.

Como ácido linoleico pode aumentar nosso risco de obesidade e problemas de saúde relacionados? Uma maneira pode ser que o ácido linoleico (um ácido poliinsaturado de tipo designado ômega-6) compete com e obstrui outros ácidos poliinsaturados (de um tipo designado como ômega-3) no corpo. Embora os seres humanos paleolíticos provavelmente consumissem uma dieta com teores de ômega-6 e ômega-3 na proporção de cerca de 1:1, a dieta ocidental típica hoje tem uma relação de mais perto de 16:1. Considerando que os efeitos de promoção de gordura de ácido linoleico podem ser evitados com o consumo suficiente de ácidos graxos ômega-3, o consumo de ácido linoleico sem consumo concomitante de ômega-3 suficiente pode levar à resistência à insulina e pré-diabetes. O excesso de ômega-6, como o ácido linoleico pode também evitar o chamado "escurecimento" da gordura branca, isto é, a conversão da gordura a partir de um tecido que armazena a gordura em um que queima gordura.

Substituir gordura saturada por óleos de elevado teor de ômega-6 pode realmente aumentar o risco de doença cardíaca 


O ácido linoleico pode até mesmo ajudar predeterminar a obesidade através de efeitos in-útero e no início do desenvolvimento. Quando ratas grávidas/lactantes são alimentadas com uma dieta rica em ácido linoleico vs. uma dieta equilibrada em ômega-3 e ômega-6, somente a dieta rica em ácido linoleico ômega-6 provoca obesidade nos filhotes. Este efeito pode ser devido à capacidade do ácido linoleico estimular a formação de novas células de gordura a partir de células precursoras. Se os resultados se estendem para os seres humanos, a implicação seria que o consumo elevado de ácido linoleico em mulheres grávidas ou lactantes poderia predispor seus filhos a nascer mais pesados ou tornarem-se mais pesados mais tarde na vida. E fórmulas infantis ricas em ácido linoleico podem agravar o problema, promovendo a obesidade infantil.

Dada a ciência emergente, é preocupante que a recomendação dietética para os americanos ainda incentive a substituição de gorduras saturadas por óleos frequentemente ricos em ácido linoleico ômega-6. Por exemplo, a American Heart Association ainda recomenda que todos os americanos consumam pelo menos 5-10% de suas calorias totais a partir de óleos com elevado ômega-6. Parte da lógica por trás da recomendação é que as gorduras saturadas tendem a aumentar o colesterol não-saudável, enquanto que óleos ômega-6 tendem a abaixá-lo – partindo do princípio de que substituir o primeiro pelo segundo vai levar a menos doenças cardíacas e melhor saúde. Mas o oposto pode de fato ser verdade: substituir a gordura saturada por óleos elevados em ômega-6 pode realmente aumentar o risco de doença cardíaca e morte. É necessária uma re-avaliação da recomendação.

Nesse ínterim, cozinhar com óleos pobres em linoleico (por exemplo, azeite), ou mesmo os óleos mais elevados em gordura saturada (por exemplo, coco), pode nos ajudar a viver mais tempo, com cinturas mais finas e melhor saúde. O mesmo poderia valer para comer alimentos não-processados (por exemplo, sementes e produtos hortícolas não-processados), em oposição aos óleos isolados que vêm deles. Para o consumidor consciente sobre saúde, é importante notar que óleo linoleico elevado em ômega-6 é encontrados em maiores proporções nos alimentos ultra-processados. O teor de óleo desses produtos representa apenas mais uma razão convincente para evitar comê-los.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores