Dietas Cetogênicas e Câncer: O estado atual da pesquisa

Artigo traduzido por Antônio Junior. O original está aqui.

por Kris Gunnars

Girl With CancerO crescimento de células no corpo é fortemente regulado. Vários fatores de transcrição e mecanismos moleculares asseguram que as células somente cresçam e se dividam, quando apropriado.

Mas as células cancerosas são de muitas maneiras diferentes das outras células. Alguma coisa no mecanismo regulador estraga e eles começam crescer e se dividir rapidamente.

As células cancerosas começam a acumular energia a partir do sangue, então elas manipulam seus arredores para apoiar seu crescimento rápido. Um fato interessante sobre o metabolismo de células cancerosas, é que a maioria delas confiar apenas em glicose a partir do sangue como uma fonte de combustível. Este é o chamado efeito Warburg.

As células cancerosas não têm flexibilidade metabólica


As células normais do corpo têm uma certa flexibilidade metabólica. Se a insulina está baixa, elas podem começar a utilizar tanto ácidos graxos ou corpos cetônicos para fornecer energia. A maioria das células cancerosas são incapazes de fazer isso. Elas precisam de glicose.

Esta situação levou à especulação sobre se uma dieta restrita de carboidratos pode reduzir o combustível disponível para as células cancerosas, parcialmente fazendo passá-las fome e talvez sendo útil ao lado de outras terapias mais convencionais como radioterapia e quimioterapia. Mas é importante perceber que, apesar da ingestão de glicose estar baixa, o corpo ainda vai fazer muita glicose via gliconeogênese e células cancerosas são particularmente eficientes em "roubar" a pequena glicose disponível a partir do sangue. Assim, uma dieta restrita de carboidratos não vai matar de fome as células desta forma. Isso pode reduzir o seu combustível disponível ligeiramente, enquanto ainda fornece uma abundância de energia para as outras células saudáveis do corpo através de ácidos graxos e as cetonas.

Outros mecanismos potenciais


As dietas de baixo teor de carboidratos também levar a níveis mais baixos de circulação de hormônios insulina e IGF-1. Isso pode fazer com que as células cancerosas tenham menos sinais para crescer e dividir. Adicionalmente, corpos cetônicos têm mostrados inibir o crescimento de células cancerosas em cultura (1). É um conceito interessante e dieta cetogênica atualmente estão sendo estudados como potenciais tratamentos para o câncer ao lado de outros tratamentos convencionais.

Pesquisa atual sobre Low-Carb, dietas cetogênicas e Câncer


Houve um estudo piloto em 10 pacientes com câncer avançado publicado em outubro passado. Os pacientes fizeram uma dieta cetôgenica very low-carb durante 28 dias. De acordo com um PET scan, 4 dos pacientes continuaram a sofrer de doença progressiva, enquanto 5 mantiveram-se estáveis e 1 teve remissão parcial. Os pacientes que tiveram a melhor resposta metabólica à dieta (ou seja, menos insulina e níveis mais elevados de cetonas) viram mais melhorias (2).

Relato de Caso de duas meninas com câncer cerebral


Em 1995, um relato de caso de duas meninas com câncer no cérebro foi publicado. Após 7 dias em uma dieta cetogênica, os níveis de glicose no sangue diminuíram e captação de glicose no local do tumor diminuiu 21,8%. Uma das meninas teve melhora significativa nos sintomas e sua doença não progrediu pelos próximos 12 meses (3).

Qualidade de vida em pacientes com câncer


Em um estudo piloto de 16 pacientes com câncer em estágio avançado, uma dieta cetogênica fez melhorar a qualidade de vida e parou a progressão do câncer para os 5 pacientes que completaram o estudo de 12 semanas (4).

E quanto à prevenção?


Muitos tipos de câncer são associados com outras doenças da civilização como obesidade e diabetes. Dado que as dietas pobres em carboidratos podem, em muitos casos, melhorar drasticamente e até mesmo curar algumas destas doenças, não é preciso um grande esforço de imaginação para ver como esta dieta pode reduzir as chances de desenvolver câncer mais tarde na vida. Níveis elevados de açúcar no sangue e de insulina, alta circulação de IGF-1, todos são fatores de risco para o câncer e são todos melhorados em uma dieta cetogênica low-carb.

Isso ainda precisa de muito mais Pesquisa


O câncer é uma coisa desagradável. Você pode cortá-lo fora, irradiá-lo e sobrecarregá-lo com veneno, mas de alguma forma, muitas vezes ainda consegue sobreviver e se espalhar. Dieta cetogênica pode vir a ser uma arma útil no arsenal contra esta desagradável doença, mas é definitivamente prematuro fazer quaisquer recomendações baseadas na pesquisa atual.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores