"Culturalismo Físico"

Enquanto eu traduzia o artigo sobre isometria, tive contato com o termo "physical culturalism". Na hora, fiquei sem saber do que se tratava – afinal de contas, eu só conhecia "physiculturism" (fisiculturismo, em portugês).

O que seria esse "culturalismo físico" afinal ? Uma busca na Wikipedia resultou no seguinte:


O movimento da cultura física do século XIX deveu suas origens a diversas tendências culturais.


Imigrantes alemães após 1848 introduziram um sistema baseado em ginástica que tornou-se popular especialmente em universidades. Muitos Turners (N.T.: nome dado aos clubes de ginástica em estilo alemão) introduziram a educação física com o nome de "ginástica alemã" em universidades e escolas públicas americanas (...) Eles foram especialmente importantes em cidades com grande população germânico-americana, mas sua influência espalhou-se lentamente.

No final do século XIX, começou a surgir a preocupação de que trabalhadores de escritórios estivessem sofrendo de várias "doenças da abundância", que eram parcialmente atribuídas a seus estilos de vida cada vez mais sedentários. Em consequência disso, numerosos sistemas de exercício fora desenvolvidos, tipicamente derivando de jogos, danças e esportes tradicionais, treinamento militar e calistênicos.

Os programas de cultura física eram promovidos através do sistema educacional, particularmente em academias militares, bem como em ginásios públicos e privados.

Esportes de combate como esgrima, boxe inglês e luta greco-romana também eram largamente praticados nas escolas de cultura física (...)

Só bombadão fedorento, 1875


Eu já conhecia a história do Eugen Sandow, considerado o pai do fisiculturismo (foi ele quem criou o termo "bodybuilding"), mas não sabia que ele era um culturalista. O que o Sandow fez, pelo que pude entender, foi exatamente focar o conceito do exercício físico em obter "o físico perfeito". Ele literalmente malhava para ter as mesmas proporções que as estátuas gregas clássicas – e a meu ver, conseguiu. 

Sandow em carne, osso e bigode

1895, sem bombas

Que whey protein o quê, rapá!



Não é à toa que o troféu do Mr. Olympia hoje em dia é uma pequena estátua do Sandow. Enquanto na época dele os culturalistas malhavam para ficarem fortes, o Sandow queria massa muscular e definição.

Sandow em bronze e bigode


Em termos de dieta, ele dizia não seguir nenhuma. Comia de tudo, em quantidades que lhe saciassem. Também não abria mão do álcool e fumava. Certamente era um dos sortudos que nascem mesomorfos e conseguem se manter magros e fortes mesmo abusando do corpo. Morreu aos 61 anos, de um aneurisma rompido – alguns historiadores atribuem a formação do aneurisma à sífilis.

Alguns comentários do Sandow sobre a saúde promovida por um estilo de vida melhor:

Um homem pode aceitar andar alguns quilômetros quando não há carros ou transporte público; mas se lhe pedir para fazer essa caminhada diariamente pelo benefício à sua saúde, ele hesita e recusa-se.

Nutrição adequada é o primeiro requisito, porque todo o crescimento, desenvolvimento e reparo é resultado dela, e uma dieta que proporcione a maior quantidade de nutrientes pelo menor esforço digestivo irá cumprir melhor tal papel. Talvez o maior erro feito nesse respeito, que reduz a vida e minimiza a força, seja o hábito quase universal de comer demais.

Variação no programa de treinamento traz os melhores resultados. Não treine todo dia, "pule" um dia ou outro, e dê aos músculos tempo para descansarem completamente e para a natureza ter a oportunidade de reconstruí-los e acrescentar à sua força e resistência.

Mas voltando ao assunto do culturalismo físico, revirando a internet eu achei um outro nome que me chamou a atenção por algumas falas: Bernarr Mcfadden. Ele não era do time dos que queriam "crescer", mas dedicou a vida a ser forte e saudável com o tamanho que tinha.

Olha que bacana a rotina que o Mcfadden adotava:

  1. Dormir 7-8 horas por noite, acordar todo dia no mesmo horário
  2. Fazer um alongamento leve ainda na cama (espreguiçar-se) ou sair para uma caminhada rápida
  3. Fazer os exercícios físicos antes do café da manhã, com o mínimo de roupas possível, em ambiente arejado
  4. Após a malhação, tomar banho, e enxaguar-se com água fria e secar-se vigorosamente com uma toalha. 
  5. Após o banho, vem o desjejum. Comer comidas naturais minimamente processadas, até não ter mais fome
  6. Mastigar bem os alimentos. Não ler ou fazer qualquer outra atividade que requeira raciocínio enquanto come o desjejum. Focar-se na refeição.
  7. Preparar-se para o dia: foco na higiene
  8. Ir para o trabalho
  9. Evitar o almoço. McFadden acreditava que comer 3 vezes ao dia matava mais pessoas que qualquer outro hábito.
  10. Comer um jantar considerável
  11. Fazer uma longa caminhada pós-jantar é recomendável
  12. Relaxar antes de dormir

Mcfadden, 1905


Parece ter funcionado bem para ele. Mcfadden viveu até os 87 anos, e morreu de complicações de uma infecção do trato urinário por recusar-se a receber tratamento médico (sim, ele também era um cabeça-dura que achava que toda a medicina era inútil – ninguém é perfeito!). Durante sua vida, construiu uma fortuna imensa baseada na venda de livros, academias, hotéis e restaurantes.

Ele foi um dos primeiros caras a promover o jejum como maneira de trabalhar a manutenção da saúde. Abaixo, uma foto famosa dele erguendo um haltere de 45kg após 7 dias de jejum.


"Mas você não vai ter energia para malhar se não comer". 
Fica olhando então.


Ele reconhecia as dificuldades do jejum, mas acreditava (como há várias evidências hoje, embora jejuns extremamente prolongados não pareçam lá uma boa idéia) que os benefícios superavam os desconfortos.

Ainda: Mcfadden opunha-se radicalmente ao consumo de pão, que chamava de "a refeição mortal". Embora não fosse vegetariano, a carne tinha um papel menor em sua dieta – que era rica em vegetais e leite cru, mas livre de açúcar e grãos refinados (ele comia alguns grãos integrais). Ele advogava pelo uso de sapatos sem salto; pelos banhos frios, pelo uso de escovas de dentes e fio dental; pela caminhada a passo rápido como base do exercício; pelos exercícios calistênicos e com halteres leves; por dormir em superfícies duras; por usar cadeiras cujas pernas traseiras eram mais curtas que as dianteiras, fazendo com que os joelhos ficassem um pouco mais altos em relação ao quadril. Ele defendia o parto natural e opunha-se ao uso de roupas restritivas (corpetes), especialmente por mulheres. Era terminantemente contra o uso de qualquer droga ou álcool. Afirmava que procedendo assim, podia-se curar o câncer e diabetes. 

Por outro lado, considerava que todo médico era um "vendedor de pílulas", pregava abertamente contra as vacinações a afirmava que seu estilo de vida podia curar a tuberculose e doenças venéreas. Ninguém é perfeito ;-)

E em seus mais de 100 livros, Mcfadden destilou o que chamou do "Credo da Cultura Física", que traduzo aqui:

Nós acreditamos que nossos corpos são nossa posse mais gloriosa; que a saúde é nosso maior bem; que cada influência que interfira com a obtenção de uma saúde superba tem que ser considerada uma ameaça. 

Afirmamos que a fraqueza é realmente um crime; que a doença é a penalidade pela violação das leis da saúde; que cada homem pode ser um espécime vigoroso de masculinidade; que cada mulher pode ser um espécime esplendidamente forte de feminilidade, SE AS LEIS DA VIDA FOREM ESTRITAMENTE OBSERVADAS.

Acreditamos que os requisitos para construir uma saúde gloriosa são:

  1. Luz solar e ar puro sempre que possível, através da ventilação dos ambientes
  2. Uma dieta de alimentos vitais não-processados, bem mastigados e comidos apenas quando ditar o apetite; jejuns frequentes de 1 ou 2 dias são necessários
  3. Uso razoavelmente regular do sistema muscular trabalhando o corpo inteiro durante o trabalho, durante o ginásio, no campo de treinamento ou qualquer outro lugar
  4. Higiene completa, que requer banhos (frios para tonificar, quentes para limpar), embora a fricção seca, seja com as mãos ou toalhas, também seja de valor
  5. Atitude mental correta: pensar é um fator poderoso em manter a saúde vital, e pode ser construtivo ou destrutivo. A mente pode te construir ou destruir.

Percebe semelhanças entre as palavras dele e o estilo de vida paleo ? Tirando uma ou outra idiossincrasia, o conselho parece ser o mesmo: coma comida de verdade, evite venenos, durma bem, tome sol e faça exercícios.

Relembrando o Jack Lalanne, que foi um dos sucessores do Mcfadden como "guru do fitness" no início do século XX:

Exercício é rei e nutrição é rainha. Junte os dois e terá um reino.


Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores