Eu enganei milhões, fazendo-os pensar que chocolate ajuda a perder peso. Eis como.

Artigo traduzido por Hilton Sousa, Juliana Whately e Luciane Fraga. O original está aqui.

por John Bohannon




"Emagreça pelo chocolate!" as manchetes gritaram. Um time de pesquisadores alemães descobriu que pessoas numa dieta low-carb perdem peso 10% mais rapidamente se elas comerem uma barra de chocolate por dia. A notícia chegou à primeira página do Bild, o maior jornal impresso da Europa, logo abaixo uma atualização sobre o acidente aéreo da Germanwings. De lá, ricocheteou pela internet e além, virando notícia em mais de 20 países e meia dúzia de idiomas. Foi discutida em jornais televisivos. Apareceu impressa em papel brilhante na edição de junho da revista Shape ("O motivo de você precisar comer chocolate diariamente", página 128). Não apenas o chocolate acelera a perda de peso, o estudo demonstrou, mas também leva a níveis de colesterol mais altaos e bem-estar aumentado. A história do Bild cita o principal autor do estudo, Dr. Johannes Bohannon, diretor de pesquisa do Instituto de Dieta e Saúde: "A melhor parte disso é que você pode comprar chocolate em qualquer canto".

Eu sou Johannes Bohannon, PhD. Bem, na verdade meu nome é John, e sou jornalista. Eu tenho PhD, mas é em biologia molecular de bactérias, não de humanos. O Instituto de Dieta e Saúde? Não é nada além de um website.

Excetuando-se essas coisas, o estudo foi 100% autêntico. Meus colegas e eu recrutamos pessoas de verdade na Alemanha. Fizemos um estudo clínico, com os sujeitos aleatoriamente associados a diferentes dietas. E os benefícios estatisticamente significativos do chocolate que reportamos são baseados em dados reais. Ele foi, na prática, um estudo bastante típico no campo de pesquisa dietética. O que equivale a dizer: foi uma ciência horrível. Os resultados são sem sentido, e as afirmações de saúde que a mídia alardeou para milhões de pessoas mundo afora são completamente infundadas.

Eis como nós fizemos isso.

A preparação

Eu recebi uma ligação em dezembro do ano passado, de um repórter televisivo alemão chamado Peter Onneken. Ele e sua colaboradora Diana Löbl estavam trabalhando num documentário sobre a indústria das dietas baseadas em ciência-lixo. Eles queriam que eu ajudasse a demonstrar o quão fácil é transformar ciência mal-feita em manchetes que suportam as dietas da moda. E Onneken queria fazer isso em estilo gonzo: revelar a corrupção do complexo pesquisa dietética/mídia tomando parte nele.


Passe o ovo de páscoa! Novo estudo revela que comer chocolate 
não afeta o seu IMC... e pode até te ajudar a PERDER peso!


A ligação não foi uma surpresa completa. No ano anterior, eu tinha feito algo parecido para a Revista Science, sobre o acesso a periódicos mediante taxa, um setor lucrativo e de crescimento rápido para o negócio de publicações acadêmicas. Para descobrir quantos desses publicadores estão mantendo a sua promessa de fazer revisão por pares rigorosa, eu submeti artigos ridiculamente falhos e contei quantos deles foram rejeitados (resposta: menos da metade)

Onneken e Löbl tinham tudo arranjado: alguns milhares de euros para recrutar sujeitos para a pesquisa, um médico alemão para coordenar o estudo, e um amigo estatístico para massagear os dados. Onneken ouviu sobre a minha incursão jornalística e achou que eu saberia como ajuntar tudo e conseguir publicar. O único prolbema era o tempo: o documentário estava programado para ir ao ar na TV alemã e francesa no final da primavera (estréia semana que vem), então nós só tínhamos alguns meses para fazer a jogada.

Conseguríamos conseguir publicar algo ? Provavelmente. Mas além disso ? Eu achei que certamente não ia dar em nada. Nós jornalistas científicos gostamos de pensar que somos mais espertos que a média. Afinal, temos que compreender toda a complicada pesquisa científica bem o suficiente para conseguir explicá-la. E para repórteres que não tem trato com a ciência, assim que buscassem por fontes externas para as suas histórias – qualquer um com formação científica, que dirá um cientista da nutrição – eles descobririam que o estudo era risivelmente fraco. Sem mencionar que uma pesquisa no Google não produzia nenhum traço de Johannes Bohannon ou de seu alegado instituto. Repórteres antenados com a ciência da saúde iriam sentir o cheiro de golpe a 1km de distância. Mas eu não queria soar pessimista. "Vamos ver o quão longe conseguimos seguir com isso", eu disse.


O motivo de você precisar comer chocolate diariamente


O golpe


Onneken e Löbl não perderam tempo. Eles usaram o Facebook para recrutar sujeitos em Frankfurt, oferecendo 150 euros para qualquer um que quisesse participar de uma dieta por 3 semanas. Eles deixaram claro que era parte de um documentário sobre dietas, mas não deram mais detalhes. Em uma fria manhã de janeiro, 5 homens e 11 mulheres apresentaram-se, com idade entre 19 e 67 anos.

Gunter Frank, um clínico que participou da pegadinha, coordenou o teste clínico. Onneken o trouxe à bordo após ler um livro popular que Frank escreveu atacando a pseudo-ciência dietética. Testar chocolate amargo como suplemento alimentar foi sua idéia. Quando eu perguntei a ele o motivo, Frank disse que é porque era o favorito dos "fanáticos da comida integral". "Chocolate amargo tem gosto ruim, portanto deve ser bom para você", ele disse. "É como uma religião".


Chocolate acelera a perda de peso: pesquisa afirma
que ele reduz o colesterol e ajuda o sono


Após uma rodada de questionários e testes de sangue para garantir que ninguém tinha transtornos alimentares, diabetes ou outras doenças que poderiam colocá-los em perigo, Frank aleatoriamente atribuiu a cada um dos sujeitos uma de três dietas. Um grupo seguiu uma dieta low-carb. Outro seguiu a mesma dieta low-carb, acrescida de uma barra de 45g de chocolate diariamente. E o resto, o grupo de controle, foi instruído a não fazer mudanças em sua dieta atual. Eles se pesaram a cada manhã por 21 dias, e o estudo terminou com uma rodada final de questionários e exames de sangue.

Onneken então procurou seu amigo Alex Droste-Haars, um analista financeiro, para mastigar os números. Um final de semana regado a cerveja depois e... bingo! Ambos os grupos tratados perderam cerca de 2.25kg ao longo do estudo, enquanto a variação média de peso do grupo controle flutuou em torno de zero. mas e as pessoas com a dieta low-carb com chocolate ? Eles perderam peso 10% mais rápido. Não apenas essa diferença era estatisticamente significativa, mas o grupo do chocolate também teve melhor colesterol e pontuações mais altas no escore de bem-estar.

O Gancho


I Fooled Millions Into Thinking Chocolate Helps Weight Loss. Here's How.Eu sei o que você está pensando. O estudo mostrou perda de peso acelerada no grupo do chocolate –não deveríamos confiar nisso? Não é assim que a ciência funciona?


Aqui está um segredinho sujo da ciência: se você medir um grande número de coisas em um pequeno número de pessoas, é quase garantido ter um resultado "estatisticamente significativo". Nosso estudo incluiu 18 medições diferentes – peso, colesterol, sódio, níveis de proteína no sangue, qualidade do sono, bem-estar, etc – em 15 pessoas (um sujeito foi descartado). Esse estudo é um modelo de receita para falsos positivos.

Pense nas medições como bilhetes de loteria. Cada uma tem uma pequena chance de ter um resultado "significativo" que poderia gerar uma história e ser vendida para a mídia. Quanto mais bilhetes você comprar, mais chances você tem de ganhar. Nós não sabíamos qual seria o resultado – a manchete poderia ter sido que o chocolate melhora o sono ou diminui a pressão arterial – mas nós sabíamos que as chances de conseguirmos pelo menos um resultado "estatisticamente significativo" eram grandes. 

Sempre que você ouve essa frase, significa que o resultado tem um pequeno valor p. A letra p parece ter poder sagrado, mas é apenas uma maneira de avaliar a relação sinal-ruído nos dados. O ponto de corte convencional para ser "significativo" é de 0.05, o que significa que existe apenas uma possibilidade de 5% que o seu resultado seja uma flutuação aleatória. Quanto mais bilhetes de loteria, mais chances de se obter um falso positivo. Então, quantos bilhetes que você precisa comprar?

P(vencer) = 1 - (1 - p)n

Com as nossas 18 medições, tínhamos 60% de chance de conseguir algum resultado "significativo" com p < 0.05 (as medições não eram independentes, por isso poderia ser ainda maior). O jogo estava a nosso favor.

É chamado de p-hacking – mexer com o seu desenho e dados experimentais para empurrar p para abaixo de 0.05 – e é um grande problema. A maioria dos cientistas são honestos e o fazem inconscientemente. Eles obtêm resultados negativos, se convencem de que eles falharam e repetem a experiência até que ela "funcione". Ou eles deixam de lado os pontos de dados "fora da curva".

I Fooled Millions Into Thinking Chocolate Helps Weight Loss. Here's How.
Excelente notícias: chocolate pode 
te ajudar a perder peso!


Mas, mesmo se tivéssemos o cuidado de evitar o p-hacking, nosso estudo foi condenado pelo pequeno número de indivíduos, o que amplifica os efeitos de fatores não-controlados. Só para dar um exemplo: o peso de uma mulher pode flutuar 2kg ao longo de seu ciclo menstrual, muito mais do que a diferença de peso entre os nossos grupos de chocolate e de low-carb apenas. É por isso que você precisa usar um grande número de pessoas e equilibrar idade e sexo entre os grupos de tratamento (nós não nos importamos).

Assim como você pode ler as folhas de chá, você pode tentar interpretar os nossos resultados. O chocolate pode ser um acelerador de perda de peso ou poderia ser o oposto. Você não pode confiar nem na perda de peso que o nosso grupo low-carb sem chocolate teve versus o grupo controle. Quem sabe o que as pessoas do grupo controle estavam comendo? Nós nem sequer perguntamos.

Felizmente, os cientistas estão ficando atentos para estes problemas. Algumas revistas estão tentando eliminar progressivamente o teste de significância valor p completamente, para incentivar os cientistas a terem melhores hábitos. E quase ninguém mais leva a sério estudos com menos de 30 indivíduos. Editores de revistas conceituadas os rejeitam antes de enviá-los para a revisão por pares. Mas há uma abundância de revistas que se preocupam mais com dinheiro do que com sua reputação.


O homem infiltrado



Era hora de compartilhar a nossa descoberta científica com o mundo. Precisávamos publicar nosso estudo, mas como era ciência ruim, precisávamos pular a revisão por pares completamente. Convenientemente, há uma listas de revistas falsas (esta é a minha lista e aqui está outra). Como o tempo estava apertado, eu submeti simultaneamente nosso artigo – "Chocolate com alto teor de cacau como um acelerador de perda de peso" – para 20 revistas. Então nós cruzamos nossos dedos e esperamos.

I Fooled Millions Into Thinking Chocolate Helps Weight Loss. Here's How.
O mundo ficou doido ? Comer chocolate 
pode te ajudar a PERDER peso

Nosso artigo foi aceito para publicação por vários periódicos dentro de 24 horas. Não será necessário dizer que nós não enfrentamos nenhuma revisão por pares. O pretendente que finalmente escolhemos foi o International Archives of Medicine (Arquivos Internacionais de Medicina). Ele era utilizado pela gigante editora BioMedCentral, mas recentemente mudou de mãos. O novo CEO da editora, Carlos Vasquez, enviou um e-mail para Johannes dizendo que nós tínhamos produzido um "manuscrito excelente" e que por apenas 600 euros "poderia ser aceito diretamente em nossa revista premium".


As Marcas



Com o artigo publicado, era hora de fazer algum barulho. Liguei para um amigo de um amigo que trabalha com relações públicas científicas. Ela me orientou sobre alguns truques sujos de manchete. Era estranho ouvir o outro lado de algo que eu experimento todos os dias.

A chave é explorar a preguiça incrível dos jornalistas. Se você colocar a informação apenas do jeito certo, você pode moldar a história que emerge na mídia quase como se você mesmo estivesse escrevendo essas histórias. Na verdade, é literalmente isso que você está fazendo, uma vez que muitos jornalistas simplesmente copiam e colam nosso texto.

Dê uma olhada no comunicado de imprensa que eu fiz. Ele tem tudo. Em linguagem de repórter: um assunto sexy, um gráfico claro, algumas citações robustas e um título chamativo. E não há nenhuma necessidade de sequer ler o artigo científico porque os detalhes principais já estão expostos. Eu tomei um cuidado especial para mantê-los atualizados. Ao invés de enganar jornalistas, o objetivo era atraí-los com uma versão bem típica de imprensa sobre um trabalho de pesquisa (claro, o que não se percebe é o número de indivíduos e as diferenças de peso minúsculas entre os grupos).

Mas um bom comunicado de imprensa não é suficiente. Os jornalistas também estão com fome de "arte", algo bonito para mostrar aos seus leitores. Então Onneken e Löbl dispararam alguns videoclipes promocionais e artistas freelance escreveram uma balada e até mesmo um rap sobre o chocolate e a perda de peso (acontece que você pode contratar pessoas na internet para fazer quase qualquer coisa).

I Fooled Millions Into Thinking Chocolate Helps Weight Loss. Here's How.
Cientistas dizem que comer chocolate 
pode te ajudar a perder peso

Onneken escreveu um comunicado à imprensa alemã e atingiu diretamente os meios de comunicação alemães. A promessa de uma história "exclusiva" é muito tentadora, mesmo que seja falsa. Em seguida, ele disparou o comunicado de imprensa em alemão para a Áustria, e em inglês para a NewsWire. Não houve controle de qualidade. Isso foi deixado para os repórteres.

Eu senti uma mistura estranha de orgulho e aversão como a nossa isca lançada para o mundo.


O Placar


Nós entregamos um peixe grande antes mesmo que soubessem que eles estavam mordendo a isca. Bild publicou sua matéria – “Pessoas que comem chocolate emagrecem” – sem ao menos fazer qualquer contato comigo. Logo nós estávamos no Daily Star, no Irish Examiner, site alemão da revista Cosmopolitan, no Times of India, em ambos os sites Alemão e Indiano do Huffington Post, e até mesmo em um noticiário de televisão no Texas e em um programa matinal de talk show na Austrália.

Quando os repórteres finalmente entraram em contato comigo, eles fizeram perguntas superficiais. “Por que você acha que comer chocolate acelera a perda de peso? Você tem algum conselho pra dar aos nossos leitores?” Praticamente ninguém me perguntou quantas pessoas nós testamos, e ninguém publicou este número. Nenhum repórter sequer parece ter contatado outro pesquisador. Nenhum foi citado.


I Fooled Millions Into Thinking Chocolate Helps Weight Loss. Here's How.
Perca 10% mais peso comendo (...) por dia. Não é piada.


Estas publicações, embora comandem grandes audiências, não são exatamente modelos de virtude jornalística. Então, não é uma surpresa que elas iriam simplesmente pegar algo chamativo para o título, receber um monte de visualizações na página, e seguir em frente.

Mas até mesmo os supostamente rigorosos na seleção de matérias não foram capazes de ver os buracos do estudo. Para a matéria da revista Shape Magazine sobre nosso estudo — abra na página 128 na edição de junho/15 — eles contrataram os serviços de um "fact-checker" (verificador de integridade), mas foi muito vago e superficial. Tudo o que o verificador fez foi pesquisar algumas frases ditas por mim, para conferência de autoria, e verificar a ortografia correta do meu nome. 

A cobertura foi tão superficial que especificou o teor de cacau apropriado para que o chocolate provoque a perda de peso (81%) e até mesmo mencionou duas marcas específicas (“disponíveis nas Amazon.com”). 

Alguns acabaram se esquivando da bala. Uma repórter da revista Men’s Health me entrevistou via e-mail, perguntando o mesmo tipo de perguntas sem embasamento nem a procura de provas. Ela disse que a matéria sairia na edição de setembro, então, nunca saberemos.

Mas o mais decepcionante? Ninguém "mergulhou" em nosso buffet de vídeos de música e chocolate. Ao invés disso, eles usaram fotos vagamente pornográficas de mulheres comendo chocolate. Talvez esta música vá assumir uma vida própria agora que a verdade foi mostrada:




A queda


Então porque você deveria se importar? As pessoas desesperadas por uma informação confiável enfrentam uma enorme gama de orientações dietéticas – Sal faz mal, sal faz bem, proteína faz bem, proteína faz mal, gordura faz mal, gordura faz bem – isso muda tanto quanto o clima. Mas a ciência vai descobrir, certo? Agora que nós assumimos que a obesidade é uma epidemia, os melhores cientistas receberão muitos fundos para pesquisas e toda esta informação contraditória acabará e nos deixará em paz com respostas claras para as causas e tratamentos.


I Fooled Millions Into Thinking Chocolate Helps Weight Loss. Here's How.
Fazendo dieta ? Não se esqueça do chocolate


Ou talvez não. "Mesmo as pesquisas mais ricas e sérias na ciência da perda de peso são confusas ou inconclusivas", lamenta Peter Attia, um cirurgião que co-fundou a Nutrition Science Initiative (N.T.: Iniciativa sobre a Ciência da Nutrição) sem fins lucrativos. Por exemplo, a Women’s Health Initiative (N.T.: Iniciativa sobre a Saúde da Mulher) — uma das maiores do seu tipo — entregou poucas constatações claras sobre dieta e saúde. “Os resultados foram confusos,” diz Attia. “Eles gastaram $1 bilhão e não conseguiram provar que uma dieta de baixo carboidrato é melhor ou pior.” A ONG de Attia está tentando arrecadar $190 milhões para responder estas questões fundamentais. Mas é muito difícil focar a atenção na ciência da obesidade, ele diz. “Tem barulho demais.”

Você pode agradecer a pessoas como eu por isso. Nós jornalistas temos que alimentar a fera da notícia diária, e a ciência dietética é nossa fonte mais abundante.  Leitores não se cansam de matérias sobre os benefícios do vinho tinto ou dos perigos da frutose. Não só é universalmente relevante – refere-se às decisões que todos tomamos, pelo menos, três vezes por dia – mas é ciência! 

Nós nem ao menos precisamos sair de casa para fazer qualquer relatório. Nós apenas mergulhamos nossos copos na corrente diária de comunicados da imprensa científica que fluem através de nossas caixas de entrada de e-mails. Adicione uma foto e está feito.

I Fooled Millions Into Thinking Chocolate Helps Weight Loss. Here's How.
Precisa de uma maneira "mais doce" de 
perder os pneuzinhos ? Coma chocolate !


O único problema com o ritmo da ciência dietética é: é ciência. Você precisa saber como ler um artigo científico – e, na verdade, se importar muito em fazer isso. Até então, as pessoas que cobrem esta área a vem tratando como fofoca, ecoando o que quer que encontrem na imprensa. Esperamos que a nossa pequena experiência deixe jornalistas e leitores um pouco mais céticos.

Se um estudo nem ao menos lista quantas pessoas fizeram parte do mesmo, ou se fizer uma afirmação dietética ousada que seja “estatisticamente significativa”, mas não diz quão grande é o tamanho do efeito, você deve se perguntar por que. Mas na maioria das vezes nós não nos perguntamos.

O que é uma pena, porque os jornalistas estão se tornando o "padrão" do sistema de avaliação por pares. E quando nós falhamos, o mundo é inundado de ciência sucateada.

Houve um brilho de esperança nesta tragicomédia. Enquanto os repórteres apenas regurgitavam nossas descobertas, muitos leitores ficaram pensativos e céticos. Nos comentários online eles postaram as perguntas que os repórteres deveriam ter feito.

“Por que as calorias não são contadas para nenhum dos indivíduos?” perguntou um leitor em um fórum de fisiculturismo. “O endereço de internet (do site do Institute of Diet and health) foi registrado no começo de março, e dezenas de blogs e revistas (veja no Google) espalharam este estudo sem saber o que ou quem está por trás dele,” disse um leitor logo abaixo da matéria na Focus, uma das revistas online líderes na Alemanha. 

Ou como leitor profético do 4 April story in the Daily Express colocou, “Em nutrição, todo dia é 1o de abril.”

Correção: o estudo referenciado por Peter Attia foi chamado de Women’s Health Initiative, e não Women’s Health Study, e foi um dos maiores de seu tipo, não o maior.

Atualização: O estudo foi removido do site do International Archives of Medicine, mas você pode ler aqui

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores