Predominância Estrogênica: de onde vem e o que fazer a respeito ?

Artigo traduzido por Juliana Whately. O original está aqui.

por Stefani Ruper

How to get rid of menstrual cramps

Dominância de estrogênio – a condição de ter níveis de estrogênio maiores em relação aos níveis de progesterona – é algo que assola milhões de mulheres em todas as idades. Ela pode ocorrer durante o período reprodutivo, perimenopausa e menopausa. Também pode ser proveniente de uma grande variedade de fontes dentro da dieta e estilo de vida de uma mulher. Isso faz com que a predominância estrogênica seja um pouco complexa de tratar. Mas uma abordagem holística da saúde deve, pelo menos, fazer com que as coisas entrem nos eixos e proporcionar um ambiente de aprendizagem adequado para que você possa descobrir exatamente de onde sua desregulação está vindo.

A dominância de estrogênio ocorre quando os níveis de estrogênio estão muito altos ou, por outro lado, quando os níveis de progesterona estão muito baixos. Há algumas oscilações naturais ao longo da vida de uma mulher que podem fazer da dominância de estrogênio um problema maior ou menor. A progesterona tende a cair durante a perimenopausa, por exemplo, de modo que isto pode ser a principal fonte de desconforto hormonal para mulheres por volta de 35 anos de idade. Os níveis de progesterona também caem durante a menopausa, embora os níveis de estrogênio devam estar baixos na época, também. As razões para que o estrogênio possa permanecer relativamente elevado nos últimos anos de uma mulher têm a ver, em grande parte, com os mesmos mecanismos que ocorrem nos anos reprodutivos. Em cada um dos anos reprodutivos, perimenopausa e menopausa, a mulher está sujeita a ser influenciada por suas escolhas alimentares e estilo de vida.

A dominância de estrogênio é um grande problema. Ela pode causar uma grande variedade de sintomas, assim como nos colocar em maior risco de uma ampla variedade de doenças e condições. Os sintomas associados com a dominância de estrogênio incluem:

  • Ganho de peso
  • TPM
  • Mudanças de humor
  • Sensibilidade emocional alta
  • Menstruação intensa
  • Sensibilidade mamária
  • Dores de cabeça
  • Diminuição da libido
  • Metabolismo lento
  • Insônia


As condições que encontramos mais frequentemente em mulheres com predominância estrogênica e que podem, de fato, se desenvolver explicitamente como resultado da predominância estrogênica incluem:

  • Miomas císticos
  • Endometriose
  • Adenomiose
  • Hipotireoidismo (estrogênio é antagônico ao hormônio tireoidiano)
  • Câncer de Mama
  • Câncer de Ovário
  • Câncer Cervical

Estes não são problemas que podemos simplesmente nos tirar dos nossos ombros. De muitas maneiras, podemos razoavelmente ver a predominância estrogênica contribuindo para a morte de milhares de mulheres todos os anos.

As causas da predominância estrogênica


As causas da dominância de estrogênio são amplas e variadas, mas em grande parte tem a ver com a desregulação metabólica e mau funcionamento dos órgãos. Alguns fatores dietéticos também podem descompensar o equilíbrio.

1) Estar acima do peso:

As células de gordura executam uma função chamada "aromatização", que converte a testosterona em estrogênio. Quanto mais gordura corporal tivermos, então, mais o nosso corpo aponta seu saldo em direção ao estrogênio e longe da testosterona.

Agora, isso não quer dizer que os níveis de testosterona serão necessariamente baixos em mulheres com excesso de peso. Pelo contrário: os níveis de testosterona também sobem quanto mais altos os níveis de insulina estão. Por esta razão, uma mulher predisposta a insensibilidade à insulina vai ter prováveis aumentos em ambos os níveis de testosterona e estrogênio. A progesterona não sofre com o ganho de peso, no entanto: a progesterona permanece incapaz de compensar os aumentos de estrogênio associado com uma maior porcentagem de gordura corporal em mulheres com excesso de peso.

2) A sobrecarga do fígado:

O fígado é responsável por limpar o corpo de hormônios "velhos", especialmente estrogênio. Se o fígado está sobrecarregado com uma dieta hiper-calórica, com grandes quantidades de açúcar, grandes volumes de álcool ou com altos volumes de produtos químicos processados, então ele torna-se lento na sua capacidade de processar tudo. Quando o fígado fica mais lento, o estrogênio acaba sobrando e causando estragos no sistema reprodutivo enquanto ele espera o fígado se curar e recuperar o atraso em sua capacidade de compensação na corrente sanguínea.

Este efeito é interessantemente ainda mais pronunciado nos homens do que nas mulheres e é o maior responsável pelo desenvolvimento de depósitos de gordura mamária em quem bebe muito. Estar acima do peso e estressado também pode contribuir para este processo em homens.

3) Estresse:

O estresse causa estragos em todos os nossos sistemas corporais. Talvez mais rapidamente em mulheres, no entanto, pois diminui a produção de progesterona no corpo. Quando uma mulher está estressada, suas glândulas supra-renais "roubam" o precursor de progesterona e usam para produzir cortisol, o hormônio do estresse. Por esta razão, muito estresse pode diminuir os níveis de progesterona, o que pode precipitadamente deslocar o equilíbrio hormonal em favor de estrogênio.

4) Consumos de fito e xenoestrógenos:

Por mais que eu tenha dificuldade com a soja em minha própria vida, eu normalmente prego cautela quando se fala em soja. Eu sinceramente acredito que seja uma boa ferramenta terapêutica para algumas mulheres e cada um de nós têm de usá-la de forma adequada.

Em todos os casos, no entanto, soja, linhaça, leguminosas e outras fontes de estrogênio fora do corpo interferem na nossa própria de produção de estrogênio. No caso de mulheres dominantes de estrogênio, pode causar muita produção de estrogênio. Os fitoestrógenos podem aumentar o processo de aromatização nas células de gordura descritas acima. Eles também podem simplesmente causar um aumento da carga de estrogênio no corpo, o que automaticamente inclinam a balança. Em um metabolismo funcionando corretamente, o fígado deveria provavelmente ser capaz de limpar este aumento na carga de estrogênio. Mas às vezes a carga é muito alta ou o fígado não é forte o suficiente e isso se torna uma impossibilidade.

5) Uma dieta pobre em fibras:

O estrogênio é processado no fígado, mas também é processado, em parte, pela flora intestinal e também excretado no trato digestivo.

Foi demonstrado várias vezes que dietas com baixo teor de fibras estão associadas com predominância estrogênica. Há muitas variáveis ​​de confusão que podem desempenhar um papel aqui, mas a idéia geral é que o estrogênio pode ser reabsorvido através das paredes intestinais. Com uma flora intestinal pobre e a mobilidade intestinal lenta, o estrogênio fica muito tempo no intestino e é reabsorvido na corrente sanguínea.

A fibra é geralmente correlacionada com a melhora no ritmo digestivo e mobilidade, embora não exclusivamente. Uma quantidade adequada de fibras ajuda a empurrar as coisas ao longo do trato digestivo. Muita fibra também pode, obviamente, ser prejudicial. Causa uma coisa que os defensores da saúde gostam de chamar de "fibroso". É abrasivo e pode levar à condições de deterioração do intestino, como a diverticulite. Em todo o caso, no entanto, satisfazer um requisito mínimo para o processamento de estrogênio, como consumir frutas e vegetais regularmente pode ser bastante útil para a mobilidade intestinal e a saúde.

O aumento da ingestão de frutas e vegetais também pode, é claro, aumentar a ingestão de nutrientes, o que pode impulsionar a função hepática, função hormonal, bem como o processamento de todos esses químicos.


Indo além da predominância estrogênica


Como é que vamos reduzir a dominância de estrogênio, então? Comendo dietas destinadas a diminuir a inflamação, para ajudar a função dos órgãos – e particularmente o fígado – minimizar o consumo de fitoestrógenos e maximizar o nível de nutrientes.

Isso significa que nós queremos comer um tipo de dieta paleo, que inclui produtos de origem animal, tanto a proteína quanto a gordura, frutos do mar, frutas, legumes, azeite, coco, vegetais ricos em amido e alguns tipos de sementes e nozes. No entanto, em um sistema dominante em estrogênio, sementes e nozes podem atuar como fitoestrógenos e pender a balança hormonal a favor do estrogênio, por isso eles devem ser cuidadosamente evitados. Os alimentos que ajudam a saúde da tireóide, como frutos do mar e algas também deve ser bastante úteis para impulsionar a melhora da saúde e do metabolismo hormonal. Alimentos a serem evitados são, naturalmente, todos os açúcares processados, grãos, óleos ômega-6 de sementes, fitoestrógenos, que incluem soja, linhaça, leguminosas, sementes e algumas ervas, que eu listo em grande detalhe aqui, e álcool.

Alimentos para enfatizar a compensação de estrogênio são aqueles que são os mais ricos em nutrientes, particularmente aqueles que aumentam os níveis de vitamina B, ômega-3 (óleo de fígado de bacalhau fermentado!), colina (para o fígado!), zinco, magnésio, cálcio e vitamina D. Por esse motivo, os ovos (colina), peixe (ômega33, iodo, selênio e vitamina D), fígado (vitamina A, vitaminas do complexo B, e ferro, zinco, manganês, etc), outras vísceras, e proteína animal de alta qualidade podem ser seus melhores companheiros nesta jornada.

Alguns suplementos também parecem ser úteis e eu acho que o Dr. Hoffman (um dos heróis de dominância de estrogênio) resume bem:

A lecitina (um fosfolípido) e os aminoácidos que contêm enxofre de L-taurina e L-metionina são compostos que promovem a circulação da bílis, o que aumenta a excreção de estrogênio pelo corpo. Estas fórmulas lipotrópicas suportam o metabolismo de estrogênio do fígado. Uma fórmula típica pode fornecer o seguinte: por vezes em uma base de ervas estimulantes do fígado, como o cardo-mariano, rabanete preto, beterraba ou dente de leão, para consumir duas vezes por dia:  colina (uma forma concentrada de lecitina), 500 miligramas; inositol, 250 miligramas; taurina, 250 miligramas; metionina, 250 miligramas.

O exercício também deve ser elevado em sua lista, uma vez que o exercício pode aumentar a sensibilidade à insulina, aumentar a perda de peso, ajuda a acabar com os problemas de humor associados a dominância de estrogênio e reduzir os níveis de hormônios de estresse no corpo.

A redução do estresse é um ponto importantíssimo. Eu não consigo enfatizar o suficiente o quanto isso é importante. Sem progesterona em nossos corpos é quase impossível corrigir a predominância estrogênica. Quaisquer outros aspectos da mitigação de estrogênio podem estar no lugar. Mas sem progesterona suficiente, os sintomas da predominância estrogênica podem persistir.

A predominância estrogênica assola uma grande variedade de mulheres e em todas as fases da vida reprodutiva. Dar suporte à saúde dos órgãos, reduzir o estresse e, em geral, ter foco em alimentos saudáveis, deve nos levar à maior parte do caminho para um melhor equilíbrio hormonal. Há, é claro, muitas outras coisas que você pode fazer para ajudar a mitigar os problemas associados com a dominância de estrogênio – por exemplo, experiências com a suplementação com neurotransmissor ou impulsionar a saúde dos neurotransmissores com uma dieta e suplementos, a fim de mitigar os problemas de humor oscilante – mas esses são amplos e variados e terão seus lugares próprios neste blog em uma próxima vez.

Nesse meio-tempo: qual é a sua experiência? A paleo te ajuda com esses sintomas? Quais são as partes da sua dieta e estilo de vida que são melhores para te manter hormonalmente equilibrada e saudável? O que funcionou e o que não funcionou?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores