A Dieta do Gladiador: como comer, exercitar-se e morrer violentamente

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

Da primeira vez que li o texto abaixo, foi quando estava lendo material para escrever um artigo sobre o roubo da história. Outro dia, o caso dos gladiadores me voltou à cabeça quando assisti um pedacinho da série "Spartacus" – que mostra os gladiadores como sujeitos sarados, trincados e cortados. 

Sabe de nada, inocente.



por Andrew Curry



Um juiz observa enquanto dois tipos distintos de gladiadores lutam 
até a morte, nesta peça encontrada num cemitério de gladiadores em 
Éfeso. O homem no meio – um pesado secutor de armadura – perdeu seu 
escudo, deixando-o vulnerável ao quase desnudo reciário, à direita.


O Café Westend, em frente à Estação Central de Viena, é um ponto turístico da cidade. Suas cabines de feltro verde e garçons cansados, de terno preto amassado, viram muito ao longo dos anos. Mas quando ele concordou em me encontrar aqui ao invés de em seu laboratório nos arredores da cidade, Karl Grossschmidt, um paleo-patologista da Universidade Médica de Viena, prometeu me mostrar algo novo mesmo para essa cafeteria centenária. Empurrando para o lado as xícaras de capuccino vazias e os restos de um croissant, Grossschmidt dá uma olhada rápida por sobre o ombro para ver se o nosso garçon está fora de vista. Tudo limpo, ele enfia a mão num saco plastico e tira uma caixa branca de papelão. Dentro dela, protegida por toalhas de papel, está um crânio humano sem mandíbula. Grossschmidt o ergue gentilmente e passa para mim. "Não deixe cair – é de verdade" ele diz.



Os três furos no crânio são evidência de morte por tridente, de um gladiador 
de Éfeso. Uma imagem gerada por computador mostra como a arma teria 
penetrado no crânio.


Eu pego com as duas mãos o crânio de um gladiador romano que viveu, lutou e morreu mais de 1800 anos atrás em Éfeso, onde hoje é o oeste da Turquia. Junto com mais de 60 de seus jovens camaradas, ele foi enterrado em uma cova com 20m2 ao longo da estrada que leva do centro da cidade ao Templo de Ártemis, uma das 7 Maravilhas do Mundo Antigo. O estudo recente dos ossos do único cemitério de gladiadores conhecido está preenchendo as lacunas das fontes literárias e dos registros arqueológicos que dizem respeito a como os gladiadores morriam. Mas a maior revelação a sair do cemitério de Éfeso é o que mantinha os gladiadores vivos – uma dieta vegetariana rica em carboidratos, com suplementos ocasionais de cálcio.

Relatos antigos da vida dos gladiadores às vezes se referiam aos guerreiros como hordearii - literalmente, 'homens de centeio'. Grossschmidt e seu colaborador Fabian Kans sujeitaram fragmentos de ossos à análise isotópica, uma técnica que mede traços de elementos químicos tais como cálcio, estrôncio e zinco, para ver se conseguiam descobrir o motivo. Ele tiveram resultados surpreendentes. Comparados aos habitantes médios de Éfeso, os gladiadores comiam mais plantas e muito pouca proteína animal. A dieta vegetariana nada tinha a ver com pobreza ou direitos dos animais. Os gladiadores, ao que tudo indica, eram gordos. Consumir um monte de carboidratos simples, como centeio, e leguminosas, como feijões, era questão de sobrevivência na arena. Entupindo-se de carboidratos eles ganhavam muitos quilos. 'Os gladiadores precisavam de gordura subcutânea', Grossschmidt explica. 'Um acolchoado de gordura te protege de cortes e escuda os nervos e vasos sanguíneos numa briga'. Não apenas um gladiador magro teria virado carne morta, ele também daria um show ruim. Cortes superficiais 'aparentam ser mais espetaculares', diz Grossschmidt. 'Se eu for ferido apenas na camada gordurosa, eu posso continuar lutando', adiciona. 'Não machuca muito, e tem boa aparência para os espectadores'.


A existência da adaga de quatro pontas (a foto mostra uma réplica) era
conhecida por desenhos, mas sua função era um mistéro até que esse 
joelho portando uma incapacitante ferida quádrupla foi identificado


Mas uma dieta de centeio e legumes teria deixado os lutadores com uma deficiência séria de cálcio. Para manter seus ossos fortes, relatos históricos dizem, eles bebiam misturas nojentas de carvão ou cinza de ossos, ambas ricas em cálcio. Qualquer que fosse a fórmula exata, a coisa funcionava. Grossschmidt diz que os níveis de cálcio nos ossos de gladiadores eram "exorbitantes", comparados aos da população em geral. "Muitos atletas de hoje tem que tomar suplementos de cálcio", ele diz. "Naquela época, já sabiam disso".

Isso não é dizer que vida – ou morte – de um gladiador era agradável. Muitos dos homens que o time de Grossschmidth estudou, morreram apenas após terem sobrevivido a múltiplos golpes na cabeça. "A proporção de feridas no crânio foi surpreendente, uma vez que todos os tipos de gladiadores, exceto um, usavam capacetes", diz Coleman da Universidade Harvard. Gladiadores geralmente lutavam em combates um-contra-um, com suas armaduras e armamentos projetados para dar vantagens opostas. Por exemplo, um reciário mais leve, sem capacete e quase sem armadura, armado com uma rede e um tridente, lutaria contra um enorme mirmilão usando um capacete maciço com pequenas aberturas para os olhos e carregando um escudo grosso e longo. Três dos crânios de Éfeso foram perfurados por tridentes, armas usadas apenas pelos gladiadores. Dez foram esmagados por objetos pesados, talvez golpes de misericórdia com um martelo. Outros ferimentos ilustram a morte ideal do gladiador, ao finalmente aceitar o golpe fatal. Marcas de cortes em 4 dos homens evidenciam um final dramático. "Quando eles perdiam e estavam deitados de barriga para baixo, seus oponentes os perfuravam na altura da escápula, atravessando o coração". Grossschmidt diz. "Também achamos vértebras com marcas de corte. Elas teriam vindo de uma perfuração por espada, vinda através da garganta e atingindo o coração".

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores