Revolução na Nutrição: O fim da era do alto carboidrato para prevenção e controle do diabetes tipo 2

Alguns dias atrás o Dr. Souto publicou um artigo bacaníssmo sobre como o Joslin Diabetes Center, a instituição mais renomada do mundo sobre diabetes e cujo nome homenageia o Dr. Elliot Joslin – pai da diabetologia moderna, pronunciou-se radicalmente contra o tratamento dietário dado ao paciente de diabetes na atualidade.

Segue a tradução na íntegra. O original está aqui.

por Osama Hamdy

Em 1977, o Comitê sobre Nutrição e Necessidades Humanas do Senado Americano recomendou que as pessoas aumentassem sua ingestão de carboidratos para 55 ou 60% do valor calórico total, enquanto reduzissem o consumo de gordura de 40 para 30% das calorias diárias. Os objetivos destas recomendações eram reduzir tanto os custos com a saúde pública quanto maximizar a qualidade de vida dos americanos – conforme afirmou George McGovern, presidente do comitê.

Previu-se que a redução nos custos resultaria da possível redução na incidência de doença cardíaca, câncer e derrame, bem como de outras doenças fatais. Apesar das controvérsias de que as recomendações baseavam-se em evidências científicas fracas, o Departamento Americano de Agricultura (USDA) criou em 1980 uma pirâmide alimentar que representava o número ótimo de porções a serem comidas a cada dia, de cada um dos grupos alimentares básicos. Os carboidratos foram postos na base da pirâmide (compondo a maior parte da ingestão calórica, de 6 a 11 porções por dia), e as gorduras foram postas na ponta da pirâmide para mostrar que deveriam ser "usadas com moderação" .

Infelizmente, os resultados destas recomendações resultaram no oposto do que o USDA esperava.

O que foi adequadamente descrito como um "experimento nutricional nacional" contribuiu, como agora sabemos, para o aumento da prevalência da obesidade. E, contrário aos objetivos principais das recomendações, a prevalência do diabetes tipo 2 – e da doença cardiovascular – aumetaram significativamente.


Por que isso aconteceu ? Fisiologicamente, um aumento na ingestão de carboidratos resulta em uma resposta insulínica, que através da sua ação promotora de armazenamento de gorduras, aumenta a obesidade. E, como já foi mostrado, o acúmulo de gordura na barriga (gordura visceral) está associado com a inflamação crônica que é diretamente ligada ao diabetes tipo 2 e infartos do miocárdio.

O problema é igualmente ruim para pessoas que já tem diabetes tipo 2. Sabemos hoje que aumentar a carga de carboidratos na dieta de um diabético aumenta o que é chamado glicotoxicidade e consequentemente aumenta a resistência à insulina, nível de triglicérides e reduz o benéfico HDL.

Na virada do século XX (muito antes das recomendações do USDA, representadas pela pirâmide alimentar), o que hoje conhecemos como diabetes tipo 2 era predominantemente definido "doença de intolerância ao carboidrato", e era tratada principalmente com a redução da ingestão destes. A restrição de carboidratos era particularmente bem-sucedida no tratamento do diabetes antes da descoberta da insulina. Os doutores Elliott Joslin e Fredrik Allen, pais da ciência do diabetes, bem-sucedidamente tratavam seus pacientes diagnósticados com "diabetes gorda" (mais tarde conhecida como "diabetes tipo 2") com uma dieta muito pobre em carboidratos. Hoje, a dieta de Elliott Joslin seria considerada excêntrica, como pode ser visto pela reação da comunidade médica à sua reincarnação como "dieta Atkins".

Tal redução extrema de carboidratos, apesar de muito bem-sucedida no tratamento do diabetes tipo 2 antes da descoberta da insulina, estava de fato associada com alguns efeitos colaterais desconfortáveis, como constipação, dor de cabeça, hálito ruim e cãimbras. Mas apesar de a quantidade recomendada de ingestão de carboidratos ter sido significativamente relaxada após a descoberta da insulina em 1922, ela nunca excedeu 40% das calorias diárias – uma quantidade que demonstradamente reduz a glicemia e os triglicérides. Então, foi um absurdo que quando as recomendações do USDA foram publicadas, diversas sociedades médicas recomendaram aumentar os carboidratos e reduzir as gorduras para pacientes com diabetes.

Desde 2003, muitos ensaios clínicos confirmaram que reduzir carboidratos ainda é superior a reduzir a gordura para diminuir o peso corporal e melhorar o controle glicêmico. Também já foi mostrado que reduzir os carboidratos para pacientes com diabetes tipo 2 aumenta a sua sensibilidade à própria insulina; reduz a gordura abdominal e triglicérides; e aumenta o bom colesterol (HDL).

Recentemente, uma análise de diversos estudos (meta-análise) mostrou que reduzir a carga de carboidratos (a quantidade) e o índice glicêmico (o efeito de alimentos específicos, contendo carboidratos, sobre a glicemia) estava associado com risco reduzido de desenvolver diabetes tipo 2. Após a redução do peso, mostrou-se que manter uma dieta que reduza o consumo de comidas de alto índice glicêmico e seja rica em proteínas mantém melhor e por mais tempo a perda de peso, do que qualquer outra composição dietária.

As Diretrizes Joslin



Desde 2005, a Clínica Joslin tem recomendado uma redução de carboidratos para 40-45% das calorias diárias totais, e a evitar alimentos que figurem alto na tabela de índice glicêmico de carboidratos. As diretrizes de 2005 para pacientes sobrepesados e obesos com diabetes tipo 2, ou aqueles com risco de desenvolver a doença, que foram revisadas em 2011, continuam a recomendar a redução da ingestão de carboidratos para prever e tratar pacientes com diabetes tipo 2 e problemas de peso.

Recentemente, a maioria das sociedades médicas abandonaram a recomendação de alta ingestão de carboidratos e recomendaram individualização das necessidades nutricionais. Aqui no Joslin, temos prova clínica de que esta é a decisão correta. Desde 2005 temos seguido as Diretrizes Joslin em nosso programa de redução de peso. Os 44 grupos de pacientes com diabetes tipo 2 que passaram pelo programa e seguem as diretrizes perderam juntos um total de 4500kg, melhoraram o controle do seu diabetes e reduziram significativamente a medicação.

Infelizmente, muitos profissionais de saúde e nutricionistas país afora ainda recomendam alta ingestão de carboidratos para pacientes com diabetes, uma recomendação que pode fazer mal a seus pacientes e contribuir para a obesidade e a piora do controle do diabetes – e consequentemente aumento da chance de desenvolver complicações diabéticas.

Hoje está claro que um grande erro foi feito nos anos 1970 ao recomendar-se um aumento dos carboidratos para mais de 40% das calorias diárias totais. Esta era deveria chegar ao fim se queremos seriamente reduzir as epidemias de obesidade e diabetes tipo 2.

Referências


  1. U. S. Government Printing Office: Stock No. 052-070-03913-2/catalog No. Y 4.N95:D 63/3 accessed at http://zerodisease.com/archive/Dietary_Goals_For_The_United_States.pdf
  2. U.S. Department of Agriculture and U.S. Department of Health and Human Services. Nutrition and Your Health: Dietary Guidelines for Americans. Home and Garden Bulletin No. 232, 1980.
  3. Flegal KM1, Carroll MD, Kuczmarski RJ, Johnson CL. Overweight and obesity in the United States: prevalence and trends, 1960-1994. Int J Obes Relat Metab Disord. 1998;22(1):39-47.
  4. Hedley AA1, Ogden CL, Johnson CL, Carroll MD, Curtin LR, Flegal KM Prevalence of overweight and obesity among US children, adolescents, and adults, 1999-2002. JAMA. 2004;291(23):2847-50.
  5. Flegal KM1, Carroll MD, Kit BK, Ogden CL. Prevalence of obesity and trends in the distribution of body mass index among US adults, 1999-2010. JAMA. 2012;307(5):491-7.
  6. Aldhahi W, Hamdy O. Adipokines, inflammation, and the endothelium in diabetes. Curr Diab Rep. 2003;3(4):293-8.
  7. Osler W & McCrae T, The Principles and Practice of Medicine, 1923; Westman EC, Perspect Biol Med, 2006
  8. Yancy WS Jr1, Olsen MK, Guyton JR, Bakst RP, Westman EC. A low-carbohydrate, ketogenic diet versus a low-fat diet to treat obesity and hyperlipidemia: a randomized, controlled trial. Ann Intern Med. 2004;140(10):769-77.
  9. Gannon MC1, Nuttall FQ, Saeed A, Jordan K, Hoover H. An increase in dietary protein improves the blood glucose response in persons with type 2 diabetes. Am J Clin Nutr. 2003;78(4):734-41.
  10. Foster GD, Wyatt HR, Hill JO, McGuckin BG, Brill C, Mohammed BS, Szapary PO, Rader DJ, Edman JS, Klein S. A randomized trial of a low-carbohydrate diet for obesity.
  11. N Engl J Med. 2003;348(21):2082-90.
  12. Stern L, Iqbal N, Seshadri P, Chicano KL, Daily DA, McGrory J, Williams M, Gracely EJ, Samaha FF. The effects of low-carbohydrate versus conventional weight loss diets in severely obese adults: one-year follow-up of a randomized trial. Ann Intern Med. 2004;140(10):778-85.
  13. Gardner CD, Kiazand A, Alhassan S, Kim S, Stafford RS, Balise RR, Kraemer HC, King AC. Comparison of the Atkins, Zone, Ornish, and LEARN diets for change in weight and related risk factors among overweight premenopausal women: the A TO Z Weight Loss Study: a randomized trial. JAMA. 2007;297(9):969-77.
  14. Miyashita Y1, Koide N, Ohtsuka M, Ozaki H, Itoh Y, Oyama T, Uetake T, Ariga K, Shirai K. Beneficial effect of low carbohydrate in low calorie diets on visceral fat reduction in type 2 diabetic patients with obesity. Diabetes Res Clin Pract. 2004;65(3):235-41.
  15. Larsen TM1, Dalskov SM, van Baak M, Jebb SA, Papadaki A, Pfeiffer AF, Martinez JA, Handjieva-Darlenska T, Kunešová M, Pihlsgård M, Stender S, Holst C, Saris WH, Astrup A; Diet, Obesity, and Genes (Diogenes) Project. Diets with high or low protein content and glycemic index for weight-loss maintenance. N Engl J Med. 2010;363(22):2102-13. doi: 10.1056/NEJMoa1007137.
  16. Ludwig DS. Clinical update: the low-glycaemic-index diet.Lancet. 2007;369(9565):890-2.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores