Doce de abóbora com coco

Ontem eu cismei de fazer um doce de abóbora com coco, para relembrar os tempos de criança. Os doces que eu comia eram carregados no açúcar, e boa parte da sua consistência vinha daí. Como açúcar não entra mais aqui em casa, tive que improvisar – e ficou tão bom que já estou me preparando para fazer outras versões (com batata-doce, por exemplo).

Os ingredientes foram:


  • 700g de abóbora cabotiá cozida e descascada, já fria
  • 1/2 copo de leite (só depois de pronto cogitei em usar leite de coco. Fica para a próxima)
  • Adoçante a gosto
  • Coco ralado (não medi, fui acrescentando até dar a aparência que eu queria)
  • Gelatina incolor (para dar a consistência)
  • Essência de baunilha natural (eu tenho um pote de fava de baunilha conservada no uísque. Bom demais!). Coloquei umas 2 colheres de sopa

Liquidifiquei todos os ingredientes (exceto a gelatina) juntos. A gelatina, preparei à parte conforme instruções do fabricante – e só então adicionei à mistura. Deixei na geladeira por umas 2 horas, e pronto.

Ficou firme o suficiente para não desgrudar da colher quando de cabeça para baixo, e macio o suficiente para parecer um flan. A esposa e a filha adoraram, e o doce foi o responsável pela minha primeira refeição noturna em 30 dias :-) Foi por uma boa causa...

Na foto abaixo, decorei com umas passas – mas ficou bom de qualquer jeito.

Nem cachorro come – porque não sobra.


Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores