Algo para o resto da vida

Quando o Hilton começou a Paleo, fiz parte do grupo de amigos dele que dizia "você está ficando doido", "você vai morrer", "suas veias vão entupir".

Acompanhei o emagrecimento dele, os exames sempre dentro dos parâmetros e passei a indicar o blog dele para quem queria emagrecer.

Eu mesma nunca havia nem cogitado em seguir. Apesar de estar um pouco acima do peso eu nunca fui encanada com imagem corporal, nunca liguei para a aparência e se uma roupa não cabia, eu comprava outra maior. Sou, contudo, bastante encanada com questões de saúde e um post de um amigo comum em uma lista de discussão me fez tentar encarar a paleo. No post ele dizia que emagreceu 9kg em um mês e meio (meh) e que ele dormia melhor e tinha mais energia (opa!). Eu queria dormir melhor e ter mais energia, pois eu mal aguentava ver TV com a minha filha depois do trabalho e não raro dormia antes dela, para depois ficar acordando 3 ou 4 vezes durante a madrugada e já ir trabalhar cansada. Logo depois de ler o post, fui no blog e li o básico da paleo; vi que eu não iria precisar contar calorias e que eu poderia comer até encher, que são para mim os dois principais problemas de dietas tradicionais.

Faço aqui um parêntese: dieta não é algo que você faz temporariamente; é algo que você deve fazer pelo resto da vida. Se você acha que não conseguirá viver a paleo/atkins/LCHF/qualquer outra dieta pelo resto da vida, não faça. Faça uma que você consiga fazer para sempre, ao invés de uma onde você irá se torturar por seis meses para depois comer em seis dias tudo o que não comeu durante a dieta. Eu, por exemplo, nem faço a paleo. Faço uma LCHF ainda mais restrita, por opção própria. É algo que eu faço com prazer e farei sem problemas pelo resto da vida.

Isso quer dizer que você nunca mais irá comer aquela comida que voce adora? Não! Eu como milho, tomo sorvete, me entupi de panettone no natal e até tomo um chocolate quente no frio. Fazer a dieta significa que você não irá comer isso todo dia, ou 5 vezes por semana, ou em grandes quantidades. Bateu a vontade de comer, coma! Só não tenha vontade todo dia, ou deixe para atender a sua vontade não mais que duas vezes por semana. Fim do parêntese.

Naquele dia mesmo, no almoço, enchi o prato de carne e salada. Para mim não foi esforço nenhum, porque eu adoro carne e salada. Minhas dúvidas estavam no chocolate, no macarrão e na Coca-cola. Perguntei para o meu amigo o que ele havia feito em relação à cerveja; ele respondeu "isso é carb craving, você vai parar de sentir vontade de beber Coca assim que cortar os carbs". Dito e feito: cheguei em casa à noite, naquele mesmo dia, e não senti aquela vontade LOUCA de tomar Coca-cola. Aproveitei o gancho para parar de vez com o refrigerante e fiz para mim uma garrafa de mate. Comecei também a comprar chá verde no supermercado.

Dizem que a paleo dá cansaço na primeira semana. Não sei ao certo, porque na época eu não sabia, mas eu estava com pneumonia. Acabei sendo internada 15 dias após o início da dieta e no hospital eles me pesaram: 83kg. Eu não me lembrava de ter pesado mais de 80kg fora da gravidez. Internada no hospital, adeus paleo. Ainda assim, restringi ao máximo o consumo de carbs, para sair o mínimo possível da dieta.

Por causa da pneumonia, acabei tendo de me pesar no consultório médico com uma certa regularidade (minha pneumonia é alérgica, estou tendo de fazer um acompanhamento chatíssimo) e constatei uma perda de peso constante de cerca de 2kg/mês. Isso costuma ser muito para uma mulher, mas eu, além de cortar o açúcar, cortei também o adoçante. Isso para mim não é nenhum custo, eu já tomava chá e café sem açúcar, tive apenas de me adaptar ao suco sem nenhum tipo de adoçante (lembrando que a fruta é o açúcar da natureza, então não dá para se entupir de suco. Um copo/dia, ok; 1 litro/dia, not ok).

Sigo emagrecendo 2kg/mês e já perdi no total 8kg (ainda não fiz o balanço do natal). Estou tentando desacelerar a curva de emagrecimento re-introduzindo carbs (uma banana por dia) mas isso não alterou a curva de perda de peso. Re-introduzir carboidratos processados, como pães, bolos, massas e biscoitos inevitavelmente resulta em diarréia, então já desisti de tentar. O importante mesmo é que agora eu durmo melhor, tenho mais energia para brincar com a minha filha e meu intestino, que era tratado na base do Activia, agora funciona que é uma beleza. 

A paleo não é uma dieta; é uma re-educação alimentar. É algo para o resto da vida.

Antes e depois

Luciana



Recomendado para você

4 comentários

Click here for comentários
mapelu100
admin
7 de janeiro de 2015 20:58 ×

Parabéns Luciana,muito bom resultado.
Dizes que faz uma LCHF bem restrita.Seria cetogêncica?

LCHF:
-Não faz você perder peso,CORRIGE seu peso;
-Não faz você perder água do corpo,CORRIGE a água em seu corpo;
-Não melhora os lipídios séricos,CORRIGE os lipídios séricos,
-Não melhora sua saúde,CORRIGE a falta de saúde.

É isso,bem vinda a um estilo de vida maravilhoso.

Bom 2015!
Abraço.

Reply
avatar
7 de janeiro de 2015 23:24 ×

Adorei o texto! A frase final resume o que todos que julgam a paleo deveriam entender. E definitivamente, comer barrinha de cereal não é reeducação alimentar.

Reply
avatar
8 de janeiro de 2015 13:11 ×

Legal o relato.
Estou na fase de reintroduzir o carboidrato também. Só fico na dúvida de qual começar a comer.
Frutas nunca fui muito fã delas. Pão eu não quero comer nunca mais. E também nada que tenha farinha de trigo.

Reply
avatar
9 de janeiro de 2015 17:09 ×

E a cerveja vc parou de beber?

Reply
avatar
Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores