Os últimos cruzados anti-gordura

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Nina Teicholz



Os principais cientistas que guiam as recomendações nutricionais do governo dos EUA fizeram no mês passado uma admissão que iria surpreender a maioria dos americanos. "Dietas pobres em gordura", disse Alice Lichtenstein, "provavelmente não são uma boa idéia". Foi um reconhecimento público raro, admitindo a derrota  do princípio básico por trás de 35 anos do aconselhamento nutricional oficial americano.

E ainda assim, os especialistas atualmente projetando o próximo conjunto de recomendações dietárias permanece atolado na mesma tendência anti-gordura e ciência frágil que nos trouxeram a dieta de baixa gordura em primeiro lugar. Isso está fazendo com que ignorem um grande conjunto de evidência rigorosamente científica que representa nossa maior esperança em combater as epidemias de obesidade, diabetes e doença cardíaca.

As Diretrizes Dietárias para os Americanos - publicada conjuntamente pelo Departamento Americano de Agricultura (USDA) e o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) a cada 5 anos - teve uma influência profunda nas comidas que os americanos produzem e consomem. Desde 1980, eles tem nos estimulado a cortar a gordura, especialmente a gordura saturada encontrada principalmente em produtos animais como carne vermelha, manteiga e queijo. Ao invés, disseram aos americanos que 60% de suas calorias deveriam vir de comidas ricas em carboidratos como massas, pão, frutas e batatas. E no geral, nós acatamos obedientemente.

Por volta da virada do século XXI, entretanto, estudos clínicos financiados pelo Instituto Nacional de Saúde (NIH) mostravam que uma dieta low-fat nem melhorava nossa saúde e nem diminuía nossas cinturas. Consequentemente, em 2000 o comitê das Diretrizes Dietárias começou a se afastar lentamente da dieta low-fat, e por volta de 2010, seus membros já tinham removido quaisquer menções de limite ao total de gorduras.

E ainda assim, a maioria dos americanos tenta ativamente evitar a gordura, de acordo com uma pesquisa recente do Gallup. Eles não estão cientes da reviravolta crucial do USDA, porque a agência não publicou as mudanças. Talvez ela não queira ser tida como responsável pelas consequências de 25 anos de aconselhamento errado, especialmente uma vez que muitos especialistas agora acreditam que o aumento dos carboidratos que as autoridades recomendaram, contribuiu para as nossas epidemias de obesidade e diabetes.

Uma reversão tão humilhante deveria ter levado o comitê de experts que prepara as Diretrizes 2015, que terá sua penúltima reunião pública nos dias 6 e 7 de novembro/2014, a repensar fundamentalmente o dogma anti-gordura. Mas ao invés, ela focalizou sua ira anti-gordura exclusivamente nas gorduras saturadas. Diretrizes recentes continuamente baixaram as quantidades permitidas de tais gorduras na dieta para 7% das calorias "ou menos", que é o nível mais baixo já pregado pelo governo - e que raramente, se é que já foi, documentado em populações humanas saudáveis.

A ciência mais atual e rigorosa sobre gordura saturada está movendo-se na direção oposta à do comitê da USDA. Uma meta-análise histórica de toda a evidência disponível, conduzida esse ano por cientistas de Cambridge e Harvard, entre outros, e publicada nos Anais de Medicina Interna, concluiu que gorduras saturadas não podem, no fim das contas, ser a causa da doença cardíaca. Enquanto as gorduras saturadas aumentam moderadamente o "colesterol ruim" (LDL), isso aparentemente não leva a resultados adversos sobre a saúde tais como infartos e morte. Outra meta-análise, publicada no respeitado Jornal Americano de Nutrição Clínica em 2010, chegou à mesma conclusão. O comitê do USDA ignorou estas descobertas.

Sem dúvida, aceitá-las seria outra reviravolta embaraçante para os experts em nutrição. O USDA, o NIH e a Associação de Cardiologia Americana gastaram bilhões tentando provar e promover a idéia de que gorduras saturadas causam doença cardíaca.

Ao invés de gorduras saturadas, estas agências aconselharam os americanos a consumir quantidades cada vez maiores de gorduras insaturadas, que são encontradas principalmente na soja e outros óleos vegetais. Ainda que uma dieta rica nestes óleos tenha levado, em testes clínicos, a efeitos de saúde preocupantes incluindo taxas mais altas de câncer. E o USDA, que desposa um compromisso de encontrar "padrões dietários" saudáveis baseados na história, está agora na posição paradoxal de dizer aos americanos para derivar a maioria das suas gorduras a partir destes óleos vegetais que virtualmente não eram consumidos na dieta humana antes de 1900.

O caminho mais esperançoso está em uma direção diferente: um enorme tesouro de pesquisa feito na última década mostrou que regimes low-carb consistentemetne ultrapassam qualquer outra dieta na melhora da saúde. Diabéticos, por exemplo, podem mais efetivamente estabilizar a glicemia em uma dieta low-carb; vítimas de doença cardíaca são capazes de elevera seu "colesterol bom" (HDL) enquanto reduzem o triglicérides. E ao menos duas dúzias de estudos dietéticos bem controladosenvolvendo milhares de sujeitos, mostraram que limitar os carboidratos leva a maior perda de peso do que cortar a gordura.

A ordem do comitê do USDA é "revisar o conhecimento médico e científico da época". Mas apesar de 9 dias cheios de reuniões esse ano, ele não conseguiu dar o valor devido a qualquer destes estudos - que indiscutivelmente constituem o mais promissor corpo de literatura científica sobre dieta e doença em 50 anos. Ao invés, o comitê está focado em novas razões para condenar a carne vermelha, tais como a sua produção ameaça o ambiente. Entretanto, essa é uma questão científica separada que está fora da ordem do USDA sobre saúde.

As taxas de obesidade nos EUA começaram a subir dramaticamente bem por volta de 1980, o ano exato em que as Diretrizes Dietárias foram introduzidas pela primeira vez. Mais de 3 décadas depois, só se poderia esperar que mais do mesmo aconselhamento produzisse resultados de saúde similarmente ruins. E o custo, em termos humanos e de dinheiro, vai continuar a ser catastrófico.

Estas são razões fortes para o Congresso pedir ao USDA e ao HHS para reconstituir o comitê de diretrizes dietárias, de maneira que seus membros representem a gama completa de opinião especializada. O comitê deveria então ser ordenado a reavaliar fundamentalmente as assunções básicas das diretrizes, baseado na melhor e mais atual ciência. Tais medidas dariam a milhões de americanos uma chance de lutar suas batalhas contra a obesidade, diabetes e doença cardíaca - e finalmente começar a reverter os efeitos nocivos das nossas diretrizes dietárias errôneas.

Recomendado para você

1 comentários:

Click here for comentários
Eduardo Cruz
admin
5 de novembro de 2014 11:13 ×

Li há pouco no blog do doutro Souto. Excelente tradução. Obrigado por compartilhá-la. A USDA não vai assumir o preço por ter engordado os americanos por 25 anos.

Congrats bro Eduardo Cruz you got PERTAMAX...! hehehehe...
Reply
avatar
Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores