O vento da mudança

Você já ouviu "Wind of Change", dos Scorpions ? A maioria das pessoas a quem pergunto, me responde que não. Mas aí é só cantarolar um trechinho da música, e todo mundo se lembra. Nos anos 1990, foi um sucesso imenso.

Se você não conhece (ou acha que não conhece), é a canção do vídeo abaixo

Lembrou ?

Se eu pergunto em quais situações a pessoa ouvia ou gostava de ouvir a música, a resposta é quase sempre a mesma:

  • "Quando estava dançando coladinho(a) com o(a) namorado(a)"
  • "Quando o(a) namorado(a) me trocou por outro(a)"
  • "Quando eu estava na fazenda, com uma garrafa de cachaça, lembrando do(a) marvado(a)"

Ou seja, situações ligadas (bem ou mal) ao romance, ao amor. O que (quase) ninguém parece perceber é que a letra da música NÃO é sobre esses assuntos... A música celebra O FIM DA GUERRA FRIA.

Isso mesmo, fim da Guerra Fria, final dos anos 1980. Aquela na qual os EUA e a URSS ficavam de chiliquinho um com o outro, ameaçando jogar bombas nucleares e fritar o planeta. 

A primeira estrofe é, exatamente:

I follow the Moskva - Eu sigo o Moskva (um rio de Moscou)
Down to Gorky Park - Descendo para o Parque Gorky (um parque de diversões de Moscou)
Listening to the wind - Ouvindo o vento
Of change - da mudança (referindo-se à Glasnost - movimento de abertura política iniciado por Gorbachev)
An august summer night - Uma noite de verão de agosto (o verão na Rússia é no meio do ano :-)
Soldiers passing by - Soldados caminhando
Listening to the wind - Ouvindo o vento
Of change - da mudança


A letra fala sobre a esperança das pessoas em um novo tempo, no qual as crianças poderão sonhar, blablablá. É realmente bonita, e dado o contexto histórico, muito acertada.

Mas percebeu como a interpretação foi completamente errônea, por falta de conhecimento ? Pois é, esse é um dos pontos desse artigo. 

Alguns dias atrás, conversando com uma pessoa, ela me disse que conhecia um fulano que era maluco porque praticava um tal de "RITE". Ela mesma não sabia o que era RITE, mas uma terceira pessoa lhe havia explicado: o RITE consistia em fazer exercícios em jejum com intensidade máxima durante alguns minutos e depois descansar um minuto, e repetir até a exaustão. Do ponto de vista dessa terceira pessoa, RITE é uma receita para o desastre porque esgota o glicogênio muscular, promove a perda de massa magra e pode causar mal-estar e desmaio.

Até conseguir explicar que HIIT é uma técnica fundamentada em diversos estudos de biomecânica, bioquímica e educação física; quem foi o Professor Tabata; que o mal-estar sentido pode ser fruto da não-adaptação aos corpos cetônicos como fonte de energia e que some depois de algumas semanas; que não é simplesmente "esforço máximo em 2 minutos e depois descanso", levou um tempo.

É mais fácil acreditar no que te falam, ou naquilo que você aprendeu anos atrás - e que possivelmente já está obsoleto - do que aceitar que a ciência pode ter mudado. Muita gente tende a ver a ciência como um monolito, estática: definiu, está definido!

... e se esquecem que a premissa básica da ciência é duvidar de si mesma. É tentar conseguir explicar um fenômeno através de uma hipótese, buscando provar que esta é FALSA. Se ela se revelar falsa, deve ser descartada e substituída por outra. Se não puder ser falseada, ela pode ser "promovida" a teoria, e ainda assim estará sujeita a questionamentos futuros. Vai que a verdade MESMO é diferente ? Vai que haja outra explicação melhor, para o mesmo fenômeno ?

Mas ainda pior: muitos buscam na certeza da autoridade a própria certeza. "Mas fulano me disse que era assim e assado". E fulano não pode estar errado ? E quantos outros fulanos dizem diferente ? Temos que ficar atentos para não deixar que uma reputação seja mais forte que a evidência objetiva - pois foi exatamente o que nos colocou no meio da bagunça nutricional atual.

"O princípio primário é que você não deve se enganar, e você é a pessoa mais facilmente auto-enganável."
- Richard Feynman

Nos últimos meses, diversos veículos de comunicação em massa começaram a "falar bem" das dietas LCHF mundo afora - o que refletiu diretamente no Brasil: vide as reportagens da Época, da Veja, da Folha de São Paulo. Mas não vamos entender isso como sinal de "vitória". A mídia cumpre seu papel sempre: vender as notícias que chamam leitores. Se desdenhávamos da mídia antes, por ela retratar mal as dietas LCHF, por que mereceria mais credibilidade agora que fala bem ?

O ponto de atenção não é para as notícias em si, mas para o fato delas terem sido publicadas - algo impensável alguns anos atrás, e que revela o poder do "vento da mudança". O acúmulo de evidências torna-se cada vez mais significativo, e cedo ou tarde a opinião do meio científico vai mudar.


"É mais fácil enganar uma pessoa, do que convencê-la de que ela foi enganada"
- Mark Twain

Enquanto a mudança não chega, sigamos "comendo pelas beiradas". Cada pessoa que ouve um relato ou que vê uma transformação, transforma-se um pouco também. Dá muito medo sair da casca de doutrinação que sofremos a vida inteira, mas é possível: com informação e estudos que confirmam a cada dia a hipótese alternativa (de que os carboidratos refinados, e não a gordura, é que estão adoecendo a humanidade), aos poucos as cabeças vão mudando.

O mundo levou quase 50 anos para ficar "torto" como está. Será que conseguirá endireitar-se em menos tempo que isso ?

"Perfeição não é atingível, mas se buscarmos a perfeição, podemos alcançar a excelência"
- Vince Lombardi


Recomendado para você

3 comentários

Click here for comentários
Moacir
admin
8 de setembro de 2014 20:23 ×

Hilton, adoro seu blog, suas traduções ajudam muita gente. Mas, gostei do seu artigo, você poderia arriscar mais, seu texto é bom. Parabén irmão, sucesso.

Reply
avatar
8 de setembro de 2014 22:12 ×

Sensacional esse artigo. Parabéns!

Reply
avatar
17 de setembro de 2014 10:53 ×

Hilton, tu é um excelente cronista! Adorei demais o texto. Parabéns! Keep going!!!

Reply
avatar
Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores