Eles passaram fome, nós esquecemos

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui (na verdade, traduzi apenas a parte do artigo que interessava - é uma chamada para as pessoas participarem da pesquisa da AWLR).

Aproveito para convidar a todos a participarem da pesquisa sobre praticantes de paleo/LCHF no Brasil.


(...)

Em 1944, Ancel Keys recrutou 36 homens para o que seria conhecido como o "Experimento da Fome de Minnesota", para estudar os efeitos fisio e psicológicos de restrição dietária severa e prolongada. Ele documentou suas descobertas em um tomo de 1400 páginas, e pouco depois de o experimento começar, os homens rapidamente perceberam o quão difícil podia ser. Os sinais e sintomas previsíveis rapidamente apareceram: fome constante, baixa temperatura corporal, libido diminuída e uma incapacidade total de pensar em algo que não fosse comida. Um sujeito deu um depoimento arrepiante do que é comer tão pouca comida: 

"Como é passar fome ? É algo assim: eu estou faminto. Estou sempre faminto - não como a fome que vem quando você perde o almoço, mas um grito contínuo do seu corpo por comida. Às vezes eu posso quase esquecer dela, mas não há nada que possa manter o meu interesse por muito tempo. Eu espero pela hora da refeição. Quando ela vem, eu como lentamente e faço a comida durar tanto quanto possível. O menu nunca fica monótono, ainda que seja o mesmo prato todo dia, ou que seja ruim. É comida, e toda comida tem gosto bom. Mesmo as migalhas sujas de pão na calçada parecem apetitosas e eu invejo os pombos gordos que as comem".

O que eles comiam ? "Os principais itens servidos", descreveu o Dr. Keys, "eram pão de trigo integral, batatas, cereais e quantidades consideráveis de nabos e repolho. Apenas pedacinhos de carnes e laticínios eram providos", com uma ingesta diária média 1570 calorias, incluindo cerca de 50g de proteína e 30g de gordura.

70 anos depois


A diretora da Clínica de Gerenciamento de Peso do Centro Médico de Boston, e consultora sobre obesidade para o Dr. Oz (N.T.: programa de TV sobre saúde), Dra. Caroline Apovian, descreve em uma entrevista como ela trata os problemas de peso de seus pacientes.

"Se alguém chegasse à minha clínica com um IMC=30 - mulher - eu a colocaria em uma dieta de 1200 a 1500 calorias por dia, pois ela estaria comendo usualmente 2500. Uma mulher normal, moderadamente ativa, come 2000 calorias por dia, e um homem, 2500". Mas isso não "produziria uma fome crônica ?" a reporter pontua imediatamente. "Sim, produz", replica Apovian, "e é geralmente uma fome que as pessoas não podem tolerar. Essa é a razão pela qual a maioria dos programas de dieta falha".

Então como é que a "dieta de fome" de 1944 tornou-se o padrão de cuidado atual ?

Proteína, Fome e Perda de peso


A armadilha da gordura, um popular artigo do New York Tiems de 2011, mostra um estudo do Dr. Joseph Proietto, enfatizando a dificuldade de perder peso numa dieta de baixa caloria. Proietto recrutou 50 homens e mulheres obesos, estudando o estado biológico após a perda de peso. Os pacientes receberam um shake com pouca gordura e 500 calorias por dia, durante 8 semanas. Mas após 1 ano, o peso lentamente voltou e os sujeitos foram assombrados por suas mudanças hormonais induzidas pela dieta, sentido-se "muito mais famintos e preocupados com comida do que antes de perderem o peso". Pesquisadores também notaram que a grelina, geralmente chamada de "hormônio da fome", estava cerca de 20% mais alta do que no início do estudo. "O que vemos aqui é um mecanismo de defesa coordenado, com componentes múltiplos, todos direcionados a nos fazer ganhar peso", Proietto diz. "Isso, eu acho, explica a alta taxa de falha no tratamento da obesidade".

Entretanto, esse aumento da grelina induzido pela perda de peso só é observado quando a cetose está ausente. Esses mesmos pesquisadores, três anos depois, cantaram uma melodia diferente:

"Dietas cetogênicas low-carb são meios populares de perda de peso, e no curto prazo, geralmente resulta em maior perda de peso que dietas low-fat... E é comumente proposto que os corpos cetônicos suprimem o apetite, e tem sido observado que participantes de estudos do tipo "coma à vontade" em dietas cetogênicas restringem espontaneamente a sua ingesta energética".

E o estudo randomizado deles no Jornal Europeu de Nutrição Clínica confirmou essa observação, demonstrando que "em pacientes com cetose leve, o aumento da concentração de grelina circulante, um potente estimulante do apetite, que ocorre como resultado de uma perda de peso induzida por dieta, foi suprimido".

Esse efeito decorrente de uma dieta rica em proteínas e gorduras provavelmente explica o motivo de seguidores do Primal Blueprint serem tão bem-sucedidos e felizes com o seu novo modo de alimentação. Poderia explicar também o motivo de a maioria dos estudos randomizados controlados testando tais dietas, cujas ingestas mais altas de proteína e gordura sistematicamente levam a mais perda de peso. Há no mínimo 14 estudos clínicos randomizados nos quais as pessoas alocadas a dietas ilimitadas em calorias, ricas em proteína, ricas em gordura, perderam mais peso que as suas contrapartes alocadas com dietas restritas em calorias e pobres em gordura.

O que leva à questão: Onde estão os estudos clínicos randomizados que suportam as dietas de baixa gordura como padrão de cuidado ? Os estudos nos quais uma dieta low-fat, restrita em calorias, resultaram em maior perda de peso que uma dieta ilimitada em caloeiras e rica em gordura. De fato, nós da AWLR ficamos tão aturdidos pela falta de evidência que promovemos o “Desafio de Baixa Gordura” para qualquer pessoa no mundo que achar tal estudo, incentivado por um pote de dinheiro arrecadado via internet. Depois de quase um ano, centenas de dólares foram levantados e nenhum vencedor apareceu.

(...)

Enquanto você lê essas palavras, há alguém lá fora que está deprimido, sem saúde e com sobrepeso. Um pobre coitado sendo evitado pela comunidade médica devido à sua "falta de força de vontade", que luta para sobreviver com sua dieta de 1400 calorias e pouca gordura. Um belo ser humano com felicidade sem limites, preso sob o peso da fome constante e um rótulo de "IMC > 30", desesperadamente buscando por uma solução real. Com a sua ajuda, espero que possamos alcançá-los e oferecer uma mão gentil e solidária.

Recomendado para você

13 comentários

Click here for comentários
Luciana
admin
9 de abril de 2014 09:57 ×

bom dia, gostaria de parabenizar o site, olho todos os dias, estou fazendo a alimentação primal a uns 3 meses, obtive melhoras em termos de disposição, minha fome tmb diminui muito, visto que utilizei remédios pra emagrecer por 20 anos, no entanto meu peso não abaixa, isso me desanima, pois querendo ou não, temos que nos privar de diversos alimentos, e o que justifica e motiva essa mudança são os resultados, minha nutricionista me fala que ainda não diminui o peso por que meu corpo ainda está se desintoxicando de tanta droga, e que logo logo ele responderá, meu intestino também e muito preso, me dá umas dicas, obrigada!!!!

Reply
avatar
Teimosia
admin
9 de abril de 2014 10:26 ×

Olá, Luciana

Os seus exames estão todos normais ? Tireóide, principalmente ?

Você não está restringindo demais os carbs ?

Já viu esses artigos abaixo ?

http://www.paleodiario.com/2013/10/17-razoes-pelas-quais-voce-nao-esta.html
http://www.paleodiario.com/2013/10/mais-9-razoes-pelas-quais-voce-nao-esta.html

O que eu recomendo: paciência :-) Mantenha o foco na saúde - e deixe o resto acontecer. Costumo dizer que "mesmo se eu não tivesse emagrecido 1g, ainda assim a mudança para paleo teria valido a pena".

Reply
avatar
9 de abril de 2014 10:37 ×

Nunca fui gorda mas do tipo que tem " tendência para engordar" ou seja tem " tendência a fazer dietas de baixissímas calorias". Mesmo sendo médica não é fácil convencer as pessoas . Elas insistem que estou fazendo a perigosa dieta das proteínas. Affffff. Uma

Reply
avatar
9 de abril de 2014 10:41 ×

Luciana!
Deixa eu dar meu pitaco: vc deve estar comendo muita proteína e pouca gordura . Se joga no óleo de côco , na manteiga e creme de leita e coma proteínas normalmente . Faz muita diferença. Eu tinha empacado fiz isso e deu certo! Cuidado com frutas também , são lindas e cheirosas mas exigem cautela .

Reply
avatar
Jussara
admin
9 de abril de 2014 12:26 ×

Luciana, para intestino preso o dr Souto tem recomendado a suplementação com AR. O mais indicado é a fécula de batata da Aminna. De 2 a 4 colheres de sopa por dia, começando com 1 ou 2. Pode ser misturada na água ou iogurte caseiro. Beber água em quantidade suficiente, comer quantidade adequada de gordura (polpa do coco marrom para mim é tiro e queda, tem gordura boa e muita fibra; abacate idem).

Sua nutricionista tem razão, vai levar um pouco de tempo pro seu organismo se desintoxicar e seu metabolismo voltar ao equilíbrio. Eu tenho 7 meses de páleo e ainda não cheguei ao peso que quero, e nunca tomei remédio nenhum. Então tem que dar tempo ao tempo. Sei que não é fácil, às vezes desanima, ainda mais que somos mulheres, mas foram anos de abuso que nós fizemos. Concordo com o Hilton, que precisa checar a tireoide e focar na saúde (a minha melhorou muito, mas ainda vai melhorar mais, assim espero :-) ).

Reply
avatar
Jussara
admin
9 de abril de 2014 12:52 ×

Eu sempre transpirei bastante, e isso não mudou com a páleo, até pq moro numa cidade quente; não sei quanto ao suor, mas parece que sentir mais calor fazendo páleo é normal, porque as calorias estão sendo dissipadas dessa forma. E se quando sentimos muito calor o corpo transpira para regular a temperatura, deve ser normal sim transpirar mais...

Reply
avatar
Ingrid F
admin
9 de abril de 2014 18:58 ×

Hoje eu reparei que eu tenho ficado mais quente e corada, principalmente depois do almoço gordo (aliás, fico elétrica depois do almoço, nada mais de sono). Sempre fui pálida e agora estou com uma carinha de saúde.

Reply
avatar
Luciana
admin
9 de abril de 2014 22:37 ×

Gente muito obrigada, pelas respostas, por vcs tentarem me ajudar, fiquei feliz demais com a atenção de todos vcs, vou seguir todos os conselhos e volto pra dá o resultado, beijos!!!

Reply
avatar
Morena Braga
admin
10 de abril de 2014 07:49 ×

rsrsr... Será que é por isso que eu não estou emagrecendo?Por não ingerir "tanta" gordura boa...?Pois não estou emagrecendo...snif snif...
Vou tentar sua dica dada a Luciana...rsrs.
E quanto "vamos ajudar aqueles lá fora que precisam emagrecer com saúde." ( como diz a matéria). Desculpe, eu cansei...Por mais que vejam resultados, minha mãe tem tido um MONTE, eles não querem reconhecer;sempre acham uma desculpa para não seguir...afff....
Como vc disse doutora, as pessoas estão muito na defensiva sabe? Eu não falo mais, muitos familiares meus estão precisando desse estilo de vida e não querem seguir....Então não vou falar mais nada se quiserem que procurem por si mesmos... Como eu fiz; e encontrei o Rodrigo Polesso e Geosh; Drº Souto; Hilton; Drª Pollyana...E muitos mais.Eu creio que as pessoas tem é "preguiça" de estudar, ler e experimentar sabe? Querem é algo fácil, tipo pílula...
Mas vamú que vamú...
Bjinhos a todos e a vc "de tudo um pouco",srsrs.

Reply
avatar
Teimosia
admin
10 de abril de 2014 08:21 ×

A minha esposa comentou que eu estou ficando mais moreno - mesmo não tendo aumentado o meu tempo de exposição ao sol. Eu mesmo não reparei nisso :-)

Reply
avatar
Teimosia
admin
10 de abril de 2014 08:32 ×

Normal. Todo mundo quer uma resposta fácil, sem se lembrar que, como disse o Bernard Shaw, "Para todo problema complexo, existe uma solução clara, simples e errada".

Uma conhecida prefere fazer "criolipólise" e tomar remédio a mudar os hábitos alimentares - gastando os tubos de dinheiro para ter um resultado que vai desaparecer assim que ela parar...

Triste mundo.

Reply
avatar
Jussara
admin
10 de abril de 2014 23:56 ×

Triste mesmo. Nossa sociedade está doente, física e mentalmente. E quanto a tentar mudar os outros, é difícil mesmo. Eu tentei "catequizar" apenas meus pais, e hoje eles até que seguem razoavelmente bem, não 100%, mas é melhor que nada. Pelo menos os óleos de sementes foram abolidos, e o trigo também, embora meu pai não consiga dizer não quando alguém leva algo pra ele (o que me irrita). Mas como ele e minha mãe não precisam perder peso é até mais fácil.

Mudar hábitos é difícil, mas basta querer, dar o primeiro passo. Acho que ler bastante e se informar é importante, pois ao saber os males que o glúten causa, por exemplo, é difícil querer continuar a comê-lo. Eu sou muito racional, e digo que reprogramei meu cérebro. E o melhor de tudo é que não sinto falta, hoje sinto até medo de comer trigo. Olho para pães e bolos no supermercado e para mim são indiferentes.

Tenho primas que precisam emagrecer, por questão de saúde, mas ninguém muda ninguém, a pessoa só muda quando ela quer...

Reply
avatar
Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores