O Paradoxo Inuit

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

Como podem as pessoas que devoram gordura e raramente veem um vegetal serem mais saudáveis que nós?

Por Patricia Gadsby e Leon Steele 
Publicado na Discover Magazine em 01/10/2004

Patricia Cochran, uma inupiat do noroeste do Alasca, fala sobre os alimentos nativos da sua infância: "Tínhamos praticamente um modo de vida de subsistência. Nosso estoque de comida estava à nossa porta da frente. Caçávamos e conseguíamos alimentos na Península Seward e ao longo do Mar de Bering.

FOCA CINZA

"A nossa carne era focas e morsas, mamíferos marinhos que vivem em água fria e têm muita gordura. Usávamos óleo de foca para a nossa cozinha e como um molho. Tínhamos alces, caribus e renas. Nós caçávamos patos, gansos e pequenos pássaros terrestres, parecidos com codornas, chamados ptármigas. Pegávamos caranguejo e muitos peixes - salmão, peixe branco, tomcod, lúcio, e char. Nossos peixes eram cozidos, secos, defumados ou congelados. Comíamos peixe branco cru congelado, cortado em fatias finas. Os mais velhos gostavam de "stinkfish", peixe enterrado em sacos vedados ou latas na tundra e deixados para fermentar. E barbatana de foca fermentada, eles gostavam disso também". 

A família de Cochran também recebia carregamentos de carne de baleia de parentes mais ao norte, perto de Barrow. Beluga era uma que ela gostava; muktuk cru, que é a pele de baleias com sua gordura subjacente, ela definitivamente não gostava. "Para mim, ele tem uma consistência parecida com mastigar um pneu", diz ela, "mas para muitas pessoas é a base alimentar". Nos verões sub-árticos curtos, a família procurava raízes e verduras e, o melhor de tudo do ponto de vista de uma criança, amoras silvestres, crowberries ou salmonberries, que suas tias misturavam com gordura batida para fazer um doce especial chamado akutuq - em inglês coloquial, "sorvete de esquimó".

Agora Cochran dirige a Comissão de Ciência para Nativos do Alasca, que promove pesquisas sobre as culturas nativas e as questões de saúde e ambientais que os afetam. Ela trabalha em Anchorage, uma movimentada cidade que oferece de Taco Bell a cozinha francesa. Mas em casa Cochran mantém um freezer cheio de peixe, foca, morsa, rena, e carne de baleia, enviados do norte por sua família, e ela e seu marido pescam e coletam amoras - "às vezes é um desafio em Anchorage", acrescenta ela, rindo. "Eu como 50-50", explica ela, meio tradicional, meio padrão americano.

Ninguém, nem mesmo os moradores das aldeias do extremo norte da Terra, come mais uma dieta inteiramente tradicional. Mesmo os grupos que viemos a conhecer como esquimós - que incluem os Inupiat e os Yupiks do Alasca, os Inuit e os Inuvialuit canadenses, os Inuit da Groenlândia e os Yupiks da Sibéria - provavelmente já viram mais mudanças em sua dieta em uma vida do que os seus antepassados viram em milhares de anos. Quanto mais próximas as pessoas vivem das cidades e quanto mais eles têm acesso às lojas e empregos que pagam em dinheiro, mais provável é que tenham ocidentalizado sua alimentação. E com a ocidentalização, pelo menos no continente norte-americano, vem alimentos processados ​​e carboidratos baratos - margarina, Tang, refrigerantes, biscoitos, "chips", pizza, batatas fritas. "Os jovens e urbanizados", diz Harriet Kuhnlein, diretora do Centro de Nutrição e Meio Ambiente dos Povos Indígenas da Universidade McGill, em Montreal, "estão cada vez mais comendo fast food". Tanto é assim que a diabetes tipo 2, obesidade e outras doenças da civilização ocidental estão se tornando motivos de preocupação lá também.

Hoje, com os livros de dieta figurando no topo da lista de best-sellers e ninguém parecendo ter certeza do que comer para se manter saudável, é surpreendente ver o quão bem os esquimó se saem com uma dieta de altos teores de gordura e proteína. Moldada por temperaturas glaciais, paisagens duras, e invernos prolongados, a dieta tradicional esquimó tinha poucos alimentos vegetais, nenhum produto agrícola ou laticínios, e era extraordinariamente baixa em carboidratos. As pessoas sobreviviam principalmente com o que caçavam e pescavam. Moradores do interior aproveitavamdo fato das renas se alimentarem de musgos, líquens e plantas muito impróprias o estômago humanos (e além da carne, a vegetação pré-digerida pelos estõmagos animais também tornava-se parte do jantar). Habitantes da costa exploravam o mar. O principal desafio nutricional era evitar a fome no final do inverno, caso as fontes primárias de carne tornassem-se demasiado escassas ou magras.

Esses alimentos dificilmente entrariam na "dieta equilibrada" com a qual a maioria de nós cresceu, e não se parecem com o mix de cereais, frutas, legumes, carne, ovos e laticínios ao qual estamos acostumados a ver nos diagramas convencionais pirâmide alimentar. Como poderia tal dieta, possivelmente, ser adequada? Como é que as sobrevivem com pouco mais que gordura e proteína animal?

"O que a dieta do Norte Distante ilustra", diz Harold Draper, um bioquímico e especialista em nutrição esquimó, "é que não existem alimentos essenciais - somente nutrientes essenciais. E os seres humanos podem obter esses nutrientes a partir de fontes diversas e reveladoras".

Pode-se, por exemplo, imaginar deficiências vitamínicas brutas decorrentes de uma dieta com quase sem frutas e verduras. O que fornece vitamina A, essencial para os olhos e ossos? Nós obtemos a maior parte da nossa de alimentos vegetais coloridos, sintetizando a partir de precursores vegetais pigmentadas chamadas carotenóides (como a cenoura). Mas a vitamina A, que é solúvel em óleo também é abundante nos óleos de peixes de água fria e de mamíferos marinhos, bem como em fígados dos animais, nos quais a gordura é processada. Essas mesmas fontes também fornecem vitamina D, necessária para os ossos e que também é solúvel em gordura. Aqueles de nós que vivem em climas temperados e tropicais, por outro lado, costumam fabricar vitamina D indiretamente pela exposição da pele ao sol forte (dificilmente uma opção no inverno ártico) e por consumir leite de vaca fortificado (ao qual os grupos indígenas do norte tinham pouco acesso até as últimas décadas, e muitas vezes não tolera bem).

Quanto à vitamina C, a fonte no dieta esquimó foi por muito tempo um mistério. A maioria dos animais pode sintetizar a sua própria vitamina C, ou ácido ascórbico, no fígado, mas os seres humanos encontram-se entre as exceções, juntamente com outros primatas, porquinhos-da-índia e morcegos. Se não ingerirmos o suficiente, nós "desmontamos" por escorbuto - uma horrível doença do tecido conjuntivo. Nos Estados Unidos, hoje podemos obter amplo abastecimento de suco de laranja, frutas cítricas e vegetais frescos. Mas a vitamina C oxida com o tempo; receber o suficiente de provisões por navio era complicado para os exploradores das regiões polares nos séculos XVIII e XIX. Escorbuto - caracterizado por dor nas articulações, gengivas apodrecidas, vazamentos de vasos sanguíneos, degeneração física e mental - assombrou expedições européias e americanas mesmo no século XX. No entanto, os povos do Ártico que vivem de peixe fresco e carne estavam livres da doença.

PEIXE
Impressionado, o explorador Vilhjalmur Stefansson adotou a dieta esquimó por cinco anos durante as duas expedições árticas que liderou entre 1908 e 1918. "A coisa mais importante a fazer é encontrar seus anti-escorbúticos onde você estiver", escreveu ele. "Buscá-los à medida que explora." Em 1928, para convencer os céticos, ele e um jovem colega passaram um ano em uma versão da dieta americanizada sob supervisão médica no Hospital Bellevue, em Nova York. O casal comeu bifes, costeletas, carnes de órgãos como o cérebro e o fígado, aves, peixes, e gordura com entusiasmo. "Se você tem um pouco de carne fresca em sua dieta todos os dias e não a cozinha demais", declarou Stefansson triunfante, "vai haver vitamina C suficiente só dessa fonte, para prevenir o escorbuto."

Na verdade, tudo o que preciso para afastar o escorbuto é uma dose diária de 10 miligramas, diz Karen Fediuk, uma consultora de nutrição e ex-aluna de Harriet Kuhnlein, que fez sua tese de mestrado sobre a vitamina C. (Isso é muito menos do que a média americana recomendada de 75 a 90 miligramas -75 para as mulheres, 90 para homens). Alimentos nativos fornecem facilmente os 10 miligramas de prevenção do escorbuto, especialmente quando carnes de órgãos - de preferência crus - estão no menu. Para um estudo publicado com Kuhnlein em 2002, Fediuk comparou o conteúdo de vitamina C por 100 gramas, de amostras de alimentos consumidos por mulheres esquimós vivendo no ártico canadense: fígado de caribu, cru, fornece quase 24 miligramas; cérebro de foca, perto de 15 miligramas; alga-marinha crua, mais de 28 miligramas. Níveis ainda mais elevados foram encontrados na pele de baleias e muktuk.

Como você pode imaginar a partir de seu papel anti-escorbútico, a vitamina C é essencial para a síntese de tecido conjuntivo, incluindo a matriz da pele. "Onde quer que o colágeno é feito, você pode esperar que haja vitamina C", diz Kuhnlein. De pele espessa pele, borrachenta, e rico em colágeno, o muktuk cru pode servir impressionantes 36 miligramas em um pedaço de 100 gramas, de acordo com as análises de Fediuk. "Peso por peso, é tão bom quanto suco de laranja", diz ela. "Práticas inuit tradicionais, tais como congelar carne e peixe e freqüentemente comê-los crus", diz ela, "conservam a vitamina C, que é facilmente perdida quando se cozinha ou processa os alimentos".

Dietas de caçadores-coletores, como as consumidos por estes grupos do norte, e outras dietas tradicionais à base de pastoreio nômade ou agricultura de subsistência, estão entre as abordagens mais antigas para alimentação humana. Alguns destes planos alimentares pode parecer estranho para nós, dietas centradas em torno de leite, carne e sangue entre os pastores do Leste Africano; tubérculos entusiasticamente comidos quéchua nos Andes; o uso da noz mongongo como base da alimentação dos !Kung do sul da África - mas todas se provaram adaptações engenhosas para eco-nichos específicos. Ninguém, porém, pode ter sido forçado a empurrar a nutrição mais longe do que aqueles que vivem nos extremos gelados da Terra. A composição incomum da dieta do extremo norte levou Loren Cordain, professor de nutrição evolutiva na Universidade Estadual do Colorado, em Fort Collins, de fazer uma observação intrigante.

Quatro anos atrás, Cordain analisou o conteúdo de macronutrientes (proteínas, carboidratos, gordura) nas dietas de 229 grupos de caçadores-coletores, listadas em uma série de artigos de periódicos conhecidos coletivamente como o Atlas Etnográfico. Estas são algumas das mais antigas dietas humanas ainda praticadas em nossos dias. Em geral, os caçadores-coletores tendem a comer mais proteína animal do que fazemos em nossa dieta ocidental padrão, com sua dependência da agricultura e carboidratos derivados de grãos e vegetais ricos em amido. As mais baixas de todas em carboidratos e com mais alto teor de gordura e proteína combinadas, são as dietas dos povos que vivem no Extremo Norte, onde eles compensam a falta de alimentos de origem vegetal com um extra de peixes. "O que é igualmente impressionante, no entanto", diz Cordain, "é que essas dietas de carne e de peixe também exibem um "teto de proteína" natural". As proteínas não contam mais do que 35 a 40 por cento das calorias totais, o que sugere a ele este é o máximo de proteínas com o qual os humanos podem lidar confortavelmente.

Esse teto, Cordain pensa, poderia ser imposto pela forma como processar a proteína para produzir energia. A maneira mais simples, mais rápida para fazer a energia é converter carboidratos em glicose, principal combustível do nosso corpo. Mas se o corpo está sem carboidratos, pode queimar gordura, ou se necessário, quebrar as proteínas. O nome dado ao complicado processo de fazer glicose a partir de proteína é chamado gliconeogênese. Realiza-se no fígado, utiliza uma série impressionante de enzimas, e cria resíduos de nitrogênio que tem de ser convertidos em ureia e eliminados através dos rins. Em uma dieta verdadeiramente tradicional, diz Draper, recordando os seus estudos na década de 1970, os povos do Ártico tinham muita proteína, mas pouco carboidrato, por isso frequentemente se valem da gliconeogênese. Eles não apenas têm fígados maiores para lidar com o trabalho adicional, mas seus volumes de urina também eram tipicamente maiores para se livrar da uréia extra. No entanto, parece haver um limite para a quantidade de proteína com a qual o fígado humano pode lidar com segurança: em demasiado, oprime sistema de eliminação de resíduos do fígado, levando a evenenamento por proteína - náusea, diarréia, emagrecimento, e morte.

Seja qual for a razão metabólica para esta síndrome, diz John Speth, um arqueólogo do Museu de Antropologia da Universidade do Michigan, a abundância de evidências mostra que os caçadores através dos tempos evitam excessos de proteína, descartando animais magros mesmo quando a comida era escassa. Pioneiros e caçadores na América do Norte passaram pelo que parece ser uma aflição semelhante, por vezes chamada de "fome de coelho", porque a carne de coelho é notoriamente magra. Forçados a sobreviver com carne magra, os homens se empanturravam, mas definhavam. Proteína não pode ser a única fonte de energia para os seres humanos, conclui Cordain. Qualquer pessoa que comer uma dieta de carnes que é pobre em carboidratos, deve comer gordura também.
ALGA
Stefansson tinha chegado a esta conclusão, também, ao viver entre os esquimós Copper. Ele recordava que ele e seus companheiros esquimós ficaram muito doentes depois de semanas comendo "caribu tão magro que não havia gordura apreciável atrás dos olhos ou no tutano". Mais tarde, ele concordou em repetir a experiência infeliz no Hospital Bellevue, para bem da ciência , e por um tempo não comeu nada além de carne sem gordura. "Os sintomas provocados em Bellevue por uma dieta de carne incompleta [sem gordura] eram exatamente o mesmo que no Ártico... diarréia e uma sensação de desconforto geral", escreveu. Ele foi restaurado com uma correção de gordura, mas "tinha perdido peso considerável". Para o restante de seu ano com carne, Stefansson enfiou-se nas suas rações de costeletas e bifes com gordura. "A dieta normal de carne não é uma dieta de alta proteína", ele declarou. "Nós estávamos realmente tirando 3/4 de nossas calorias a partir de gordura." (Gordura tem mais que o dobro da densidade calórica das proteínas e carboidratos, mas, mesmo assim, isso é um monte de banha. Uma dieta típica dos EUA fornece cerca de 35% de suas calorias de gordura).

Stefansson perdeu 4.5kg em seu regime de carne e gordura, e ressaltou seu aspecto "afinador"; talvez por isso não é seja surpresa ele ser cooptado como um garoto-propaganda póstumo para dietas do tipo Atkins. Nenhuma discussão sobre dieta nos dias de hoje pode evitar Atkins. Mesmo alguns pesquisadores entrevistados para este artigo não puderam resistir referindo-se à maneira Inuit de comer como o "Atkins original". "Superficialmente, no nível de macronutrientes, as duas dietas certamente são semelhantes", admite Samuel Klein, um pesquisador de nutrição em Washington University, em St. Louis, que está tentando estudar como Atkins se compara com dietas de perda de peso convencionais. Como a dieta Inuit, Atkins é pobre em carboidratos e muito rica em gordura. Mas muitos pesquisadores, incluindo Klein, apontam para as diferenças profundas entre as duas dietas, começando com o tipo de carne e gorduras ingeridas.

As gorduras têm sido demonizadas nos Estados Unidos, diz Eric Dewailly, professor de medicina preventiva da Universidade de Laval, em Quebec. Mas as gorduras não são criadas todas iguais. Este fato encontra-se no coração de um paradoxo - paradoxo Inuit, se você quiser chamar assim. Nas aldeias Nunavik no norte do Quebec, adultos com mais de 40 obtém quase metade de suas calorias de alimentos nativos, diz Dewailly, e eles não morrem de ataques cardíacos nem perto das mesmas taxas que outros canadenses ou americanos. Sua taxa de morte cardíaca é cerca de metade da nossa, diz ele. Como alguém que olha para as ligações entre dieta e saúde cardiovascular, ele está intrigado com esse risco reduzido. Porque a dieta tradicional Inuit é "tão restrita", diz ele, é mais fácil de estudar do que a famosa dieta saudável para o coração, a Mediterrânea, com a sua abundância de legumes, frutas, grãos, ervas, especiarias, azeite e vinho tinto.

Uma diferença fundamental na dieta de um típico Inuit Nunavik é que mais de 50% das calorias em alimentos nativos inuit vem de gorduras. Muito mais importante, as gorduras provenientes de animais selvagens.

Gorduras de animais selvagens são diferentes das gorduras de animais de fazenda e das gorduras processadas, diz Dewailly. Animais de fazenda, alimentados com grãos agrícolas (carboidratos) normalmente têm muita gordura sólida, altamente saturada. Grande parte dos nossos alimentos processados ​​também está repleta de gorduras sólidas, as chamados gorduras trans, como os óleos vegetais e as gorduras artificiais embutidas nas margarinas, bolos e lanches. "Um monte de alimentos embalados nas prateleiras dos supermercados as contém. Assim como as batatas fritas", acrescenta Dewailly.

As gorduras trans são óleos vegetais poliinsaturados alterados para torná-las mais sólidas à temperatura ambiente. Os fabricantes fazem isso por hidrogenação dos óleos, adicionando átomos de hidrogênio extra às suas estruturas moleculares, o que "torce" as suas formas. Dewailly faz um som de torção menos parecido com uma transformação química do que com uma perversão, um ato de sabotagem da saúde pública: "Essas gorduras artificiais são perigosas, ainda piores para o coração do que as gorduras saturadas". Elas não só reduzem o colesterol de lipoproteína de alta densidade (HDL, o colesterol "bom"), mas também aumentam o colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL, o colesterol "ruim") e o triglicérides, diz ele. No processo, as gorduras trans preparam o palco para ataques cardíacos porque levam ao aumento do acúmulo de gordura nas paredes das artérias.

Os animais selvagens que vagam livremente e comem o que a natureza pretendeu, diz Dewailly, tem gordura que é muito mais saudável. Menos da sua gordura está saturado, e mais está na forma monoinsaturada (como o azeite de oliva). Além do mais, os peixes de água fria e mamíferos marinhos são particularmente ricos em gorduras poliinsaturadas chamados ácidos graxos n-3 ou ácidos graxos ômega-3. Estas gorduras parecem beneficiar o coração e sistema vascular. Mas as gorduras poliinsaturadas na dieta da maioria dos norte-americanos são os ácidos graxos ômega-6 fornecidos pelos óleos vegetais. Por outro lado, gordura de baleia é composta por 70% de gordura monoinsaturada e perto de 30% de ômega-3, diz Dewailly.

Ômega-3 evidentemente ajudar a aumentar o colesterol HDL, diminuir triglicérides, e é conhecida conhecida por efeitos anticoagulantes. (Etnógrafos têm comentado sobre uma propensão esquimó para hemorragias nasais). Acredita-se que esses ácidos graxos protegem o coração de arritmias potencialmente fatais que podem levar à morte súbita. E como a "aspirina natural", acrescenta Dewailly, gorduras omega-3 poliinsaturados ajudar a colocar um amortecedor sobre os processos inflamatórios descontrolados, que desempenham um papel na aterosclerose, artrite, diabetes e outras doenças ditas da civilização.
OSSOS DE HALIBUTE
Você pode ter certeza, no entanto, que os devotos de Atkins não comem foca e gordura de baleia rotineiramente. Além do problema de gosto adquirido, seu comércio é extremamente restrito nos Estados Unidos pela Lei de Proteção dos Mamíferos Marinhos, diz Bruce Holub, um bioquímico nutricional no Departamento de Biologia Humana e Ciências Nutricionais da Universidade de Guelph, em Ontário.

"No coração da América, é provável que eles não estejam comendo de maneira esquimó", diz Gary Foster, diretor clínico do Programa de Desordens de Alimentação e Peso da Escola de Medicina da Pensilvânia. Foster, que se descreve como uma mente aberta sobre Atkins, diz que mesmo assim iria se preocupar se as pessoas vissem a dieta como uma luz verde para comer toda a manteiga e bacon, gorduras saturadas, que eles quisessem. Pouco antes de surgirem rumores de que Robert Atkins tinha problemas de coração e de peso quando ele morreu, os próprios "representantes oficiais" do método já frisavam que gordura saturada deveria responder por não mais do que 20% das calorias dos que fazem dieta. Este parece ser um recuo claro da original abordagem de "não conte as calorias" de bacon e manteiga e das suas felizes exortações para "detonar aquelas costelas". Além disso, 20% das calorias provenientes de gorduras saturadas é o dobro do que a maioria dos nutricionistas recomendam. Antes de detonar essas costelas, os leitores de uma edição recente do Dr. Atkins "New Diet Revolution" são instados a tomar comprimidos de ômega-3 para ajudar a proteger seus corações. "Se você observar com cuidado", diz Holub ironicamente, "você vai ver muitas dietas populares dos EUA que silenciosamente adicionaram pílulas de ômega-3, na forma de cápsulas de óleo de peixe ou de linhaça, como suplementos".

Não é preciso dizer que as dietas de subsistência do extremo norte não são "fazer dieta". Fazer dieta é o preço que pagamos por muito pouco exercício e demais alimentos produzidos em massa. Dietas do Norte eram um modo de vida em lugares muito frios para a agricultura, nos quais a comida - caçada, pescada ou coletada - não era garantida. Elas eram sobre manter o peso, e não sobre perdê-lo.

Isso não quer dizer que as pessoas no extremo norte eram gordos: subsistência requer exercício - trabalho duro e físico. De fato, entre as boas razões para as pessoas nativas manterem a sua antiga maneira de comer tanto quanto possível, hoje, é que ela fornece uma proteção contra a obesidade, diabetes tipo 2 e doenças cardíacas. Infelizmente, não há lugar na Terra é imune à mancha de crescimento e desenvolvimento. O bem-estar da cadeia alimentar do norte está sob a ameaça do aquecimento global, do desenvolvimento da terra, e dos poluentes industriais no ambiente marinho. "Eu sou pragmática", diz Cochran, cuja organização está envolvida no monitoramento da poluição e divulgação de informações de segurança alimentar para as aldeias indígenas. "Sobre o aquecimento global não temos controle. Mas podemos, por exemplo, fazer limpezas de instalações militares no Alasca ou de cabos de comunicação que contaminam com chumbo áreas de desova de peixes. Podemos ajudar as comunidades a fazer escolhas alimentares informadas. Uma jovem mulher em idade fértil pode optar por não comer certas carnes de órgãos que concentram os contaminantes. Como indivíduos, temos opções. E comer o nosso salmão e nossa foca ainda é uma opção muito melhor do que puxar de uma prateleira algo processado que está cheio de aditivos".

Não são muitas vezes em nossa sociedade industrial que ouvimos alguém falar tão familiarmente sobre os "nossos" animais destinados à alimentação. Nós não falamos de "nosso porco" e "a nossa carne." Nós perdemos esse sentimento de "criatura", o senso de parentesco com as fontes de alimento. "Você é ensinado a pensar em caixas", diz Cochran. "Em nossa cultura, a conectividade entre os seres humanos, animais, plantas, a terra em que vivem, e o ar que eles compartilham é arraigado em nós desde o nascimento".

"Você não pode separar verdadeiramente a maneira como conseguimos nossa comida da maneira como vivemos", diz ela. "Como nós obtemos a nossa comida é intrínseco à nossa cultura. É assim que passamos nossos valores e conhecimentos aos jovens. Quando você sai com seus tios e tias para caçar ou coletar, você aprende a cheirar o ar, ver o vento, entender a forma como o gelo se move, conhecer a terra. Você começa a saber onde buscar o que planta e que animal abater.

"Faz parte, também, do seu desenvolvimento como pessoa. Você divide a comida com sua comunidade. Você mostrar respeito aos mais velhos, oferecendo-lhes a primeira captura. Você dá graças ao animal que deu a sua vida para o seu sustento. Então, você tem toda a atividade física de colher seu próprio alimento, toda a atividade social de prepará-la e de partilhá-la, e todos os aspectos espirituais também", diz Cochran. "Você certamente não consegue tudo isso, quando compra alimentos pré-embalados de uma loja".

"É por isso que alguns de nós aqui em Anchorage estão trabalhando para proteger o que é nosso, para que outros possam continuar a viver nas aldeias", acrescenta ela. "Porque se nós não cuidarmos da nossa alimentação, ele não vai estar lá para nós no futuro. E se perdermos nossos alimentos, perdemos o que somos". A palavra Inupiat significa "as pessoas reais". "Isso é o que somos", diz Cochran.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores