Combatendo gordura com gordura

Artigo traduzido por Hilton Sousa (dica do Twitter do Dr. José Souto). O original está aqui.

diet doctors
Professor Grant Schofield e Dra. Caryn Zinn com um prato de comida aceitável para 
uma dieta de baixo carboidrato e alta gordura.



















A epifania atingiu o professor Grant Schofield quando estava trabalhando entre as pequenas ilhas de Kiribati e Vanuatu, no oceano Pacífico, em uma missão de saúde pública.

Em Vanuatu ele encontrou a maioria da população eram saudável ​​e felizes, vivendo do jeito que sempre viveu, em aldeias isoladas, com influência mínima do mundo exterior . Em Kiribati , no entanto, onde as baixas altitudes do terreno fazem com que as pessoas dependam fortemente de ajuda externa, quase todos os adultos estavam acima do peso ou obesos. As crianças estavam desnutridas. Diabetes desenfreada implicando em até 20 amputações por semana.

"Deixei Kiribati pensando, 'não há nenhuma razão para o otimismo aqui '", diz Schofield. "Na saúde pública, você está sempre pensando positivo, mas lembro-me de voar naquele avião pensamento 'esqueça do nível do mar, essas pessoas têm um problema muito maior'."

A diferença ? A comida . Especificamente, a quantidade de carboidratos. Em Vanuatu, as pessoas comem da mesma forma que eles tem comido há décadas - produtos frescos que crescem ou são coletados - principalmente peixes, legumes e cocos.

Cerca de 60 por cento de suas calorias são provenientes de gordura, mais do dobro do consumo médio da Nova Zelândia . Havia muito pouco carboidrato, apenas uma pequena quantidade de arroz.

Enquanto isso, em Kiribati, os ilhéus sobrevivem com uma dieta de importações baratas, como refrigerantes, arroz branco, farinha, açúcar, conservas de peixe e macarrão instantâneo.

"Foi quando a ficha caiu ", diz Schofield". Duas ilhas - uma funcionando com comida de verdade , a outra com a fonte de energia mais barata disponível - carboidratos processados​​. Se você sempre quis evidência de que os carboidratos processados causam ​​danos aos humanos, você deve ir para Kiribati e dar uma olhada por si mesmo".

Foi nesse momento que motivou Schofield , um professor da Auckland University of Technology's Human Potential Centre, a voltar para a Nova Zelândia e tentar uma dieta baixa em carboidratos, com alto teor de gordura por si mesmo.

Em vez de usar o pão, arroz ou massa como fonte de energia principal, Schofield passou a comer carne, peixe e laticínios integrais, incluindo queijo e creme de leite, nozes, sementes, óleo de oliva e peixe, extraindo 80% de suas calorias da gordura.

O resto de sua energia veio de frutas e legumes - com um copo de vinho ocasional permitido. Um dia típico seria uma batida de creme de coco com frutas; atum, queijo e aipo para o almoço, e bife grelhado e brócolis no azeite de oliva para o jantar.

"Eu , antes de tudo tentei porque eu pensei que ia ser ridículo", diz Schofield. "Mas, então, eu fiz algumas auto-experimentações com uma máscara respiratória e pensei, espere!, pode haver alguma coisa nisso tudo".

Isso foi no ano passado. Agora, depois que Schofield testou sua teoria de baixo carboidrato e alta gordura em atletas do Millennium Institute of Sport na costa norte de Auckland, e comparou os resultados com os de 20 ensaios médicos clínicos randomizados em todo o mundo, ele não só acredita que a dieta de alta gordura funciona, mas que poderia ser a chave para um estilo de vida mais saudável - e a chave para a redução de diabetes e obesidade.

"O que nos foi dito é que se você comer gordura, você engorda", diz ele. "Mas na verdade é apenas a mesma palavra" (N.T.: a tradução se perde um pouco. O sentido é que "a gordura do obeso não está ligada à gordura que ele ingere").

Ele prefere olhar para a ciência por trás do caso, que ele diz que "faz sentido".

A melhor maneira de explicar a ciência é usar roedores. Em seu computador, Schofield mostra uma foto de dois ratos de laboratório brancos, aninhados juntos. Um deles é um rato de tamanho normal. O outro tem as proporções de uma pequena bola de rugby, deitado, inchado e grotesco.

"OK", diz Schofield. "Então somos informados que a única solução para a obesidade é se as pessoas comerem menos e moverem-se mais - energia que entra, energia que sai. Bem, enquanto em um ponto é verdade, eu acho que a fisiologia é um sistema muito mais complexo do que isso".

Basicamente, ele diz , há alguns hormônios no corpo que têm muito a ver com o controle de peso. Um é chamado leptina. Ela é secretada por células de gordura e ajuda o cérebro a regular a alimentação - como um 'interruptor' dizendo: "Eu já comi o suficiente".

É importante ressaltar que o rato obeso foi criado para não produzir leptina. Embora seja alimentado com o mesmo que o rato normal, não sabe quando parar. Iria, se pudesse, literalmente comer até a morte.

O segundo hormõnio é chamado insulina, produzido pelo pâncreas para controlar o açúcar no sangue, ou glicose. O trabalho da insulina é mover a glicose pelo corpo e se livrar dela.

Quando comemos carboidratos, criando glicose, diz Schofield, a insulina em primeiro lugar corre para as células de gordura e desliga a capacidade de queima de gordura.

Ele tenta fazer com que a glicose vá para os músculos para ser usado como energia, ao invés. Se isso não puder acontecer, ele tenta o fígado, e se ainda assim não há sorte (porque já há muita glicose no sistema), armazena os carboidratos de volta como gorduras.

Agora, se você estiver em boa forma, Schofield diz, é improvável que a ingestão de carboidratos seja armazenada como gordura. No entanto, essa não é a única questão.

O segundo problema é a própria insulina - especialmente entre aqueles com diabetes tipo II, que conseguem produzir insulina , mas são "resistentes" a ela (ou seja, mesmo pequenas quantidades de glicose significam um monte de hormônio em seu sistema).

O problema, Schofield diz, é que quantidades excessivas de insulina podem bloquear o outro hormônio importantíssimo, a leptina , de chegar ao cérebro.

"Essencialmente, você se torna como o rato que quer comer e comer e comer. Não é tudo sobre a 'força de vontade' aqui. Sua fisiologia está trabalhando contra você ".

Portanto, Schofield diz, a resposta parece óbvia. Restringir carboidratos e resolver os dois problemas - o seu corpo aprende a queimar gordura para obter energia, em vez de carboidratos e os níveis de insulina ficam sob controle.

E não é apenas para o excesso de peso. Em seu teste inicial, Schofield convenceu o triatleta Bevan McKinnon a seguir a dieta, e então o levou para o laboratório .

Em seguida, avaliou a proporção de gordura para carboidratos que McKinnon metabolizava antes e durante a dieta - medindo a proporção de dióxido de carbono e oxigênio utilizado durante o exercício .

Schofield descobriu que McKinnon era capaz de metabolizar uma maior proporção de carboidratos após ter ingerido elevados teores de gordura durante 10 semanas - movendo-se de 80% da energia originária de carboidratos para 80% originária da gordura nesse prazo.

McKinnon diz que se sentiu melhor durante a dieta e - surpreendentemente - até mesmo seus altos níveis de colesterol melhoraram.

Outro convertido é o triatleta Graham Brewster, que tem comido refeições cheias de gordura por um ano .

"Eu sou uma das primeiras cobaias de Grant. Ele me sentou e disse: 'Olha companheiro, como é que você está treinando tanto e ainda está gordo ?'".

Poucos meses depois ele perdeu 7 kg e tem apenas 7,3% de gordura corporal. "Foi preciso um pouco de experimentação para obter o nível adequado de combustível para o treinamento, mas me sinto melhor".

Enquanto a teoria parece simples, em princípio, e os resultados até agora são bons, há uma desvantagem . A abordagem de Schofield está completamente em desacordo com as orientações nutricionais do Ministério da Saúde - que defendem muitos grãos e vegetais, laticínios com pouca gordura e carne magra .

A Fundação do Coração, que defende evitar as gorduras saturadas em carne e produtos lácteos, diz que também seria cautelosa com uma abordagem rica em gordura.

A idéia encontrou a oposição de vários especialistas renomados em saúde, incluindo o professor de nutrição humana e medicina da Universidade de Otago, Jim Mann, que diz que não haver absolutamente nenhuma evidência de que alguém deve se manter uma dieta baixa em carboidratos por longo prazo.

Mann diz que, de fato, algumas pesquisas revelam que a "moda" das dietas de baixo carboidrato (ou seja, dietas onde carboidratos compõem menos de 40 por cento do consumo de energia ) mostra aumento dos níveis de colesterol - o maior fator de risco em termos de doença cardíaca em alguns países.

"Esta abordagem é considerada como lunática", diz Schofield.

"Algumas pessoas pensam que eu estou louco. E talvez eu seja. Mas na ciência da nutrição, como em qualquer outra ciência, devemos estar preparados para mudar a nossa mente com base em evidências. Se tivéssemos acertado, então não teríamos tantos problemas com obesidade e diabetes".

Schofield conseguiu convencer alguns profissionais de saúde, incluindo colegas da AUT para acompanhá-lo em sua busca .

Ele já tem um número do corpo docente a bordo, graças ao seu entusiasmo incansável - chegando ao ponto de passear pelo escritório bebendo creme - e palestras públicas realizadas sobre a dieta, até agora lotadas.

Dr Caryn Zinn, uma nutricionista, é uma das pessoas à bordo, e começou a recomendar a abordagem aos seus clientes.

"No geral, as pessoas gostam deste programa", diz ela. "Eles se sentem completos. Muitas pessoas dizem que se sentem como se estivessem viciadas em carboidratos - o que provavelmente é verdade, porque o açúcar, como sabemos, é viciante".

Zinn diz no entanto, que existem vários obstáculos a serem superados. Um problema é que as pessoas ouvem "alto teor de gordura" associam com "retirar", o que é errado .

A segunda é se é viável e acessível para famílias no longo prazo - dado o custo relativamente elevado de alimentos frescos.

"Nós vamos olhar para aqueles que estão com sobrepeso, que têm diabetes - como a população do Pacífico", diz ela.

"Queremos saber se a abordagem vai beneficiar esses grupos".

Zinn diz que, embora seja um visão não-convencional, está confortável em recomendá-la e com vontade de fazer mais pesquisas . "Nós só precisamos pensar - esta dieta vai prejudicar ninguém ? E a evidência diz que não".

Schofield aponta para o prato de comida em cima da mesa, servindo de exemplo - carne, queijo, abacate, nozes - e diz: "Como isso pode ser ruim para você ? Nós estamos falando sobre os tipos de alimentos que as pessoas têm comido por 99 por cento do seu tempo na Terra. É com produtos que duram por semanas e semanas que eu estaria mais preocupado".

Zinn vai agora avançar para novas pesquisas com aqueles que são obesos.

Schofield, por outro lado, tem peixes maiores para fritar. Ele quer chegar aos especialistas em saúde pública e convencê-los de que vale a pena tentar sua abordagem.

Após 20 anos de apoio à dieta recomendada, ele agora quer que seus colegas em nutrição considerem que eles poderiam ter errado.

"O que estamos fazendo não está funcionando. De onde estamos agora, o que dissemos às pessoas para comer foi o "melhor palpite" por um tempo. Eu diria que nós podemos fazer melhor" , diz Schofield. Sua pesquisa ainda está para ser escrita, mas ele diz que não é o ponto.

Esta semana, o número de adultos obesos atingiu 1 milhão. O número de pessoas com diabetes na Nova Zelândia não está mostrando nenhum ponto de diminuir.

"Então, sim, estamos caminhando rápido", diz Scofield, "mas eu digo que não é rápido o suficiente".

por Kirsty Johnston

Recomendado para você

3 comentários

Click here for comentários
29 de outubro de 2013 23:12 ×

A tradução tá excelente!! E o artigo é ótimo Hilton!!

Reply
avatar
Morena Braga
admin
30 de outubro de 2013 08:42 ×

Muito bom o artigo Hilton! Parabéns!
É muito bom ver pessoas como este professor empenhado a levar aos outros a informação correta e reconhecendo que esteve errado por muito tempo.. Ai ai... Quando será que os médicos irão realmente para de ter medo de assumir:" estive errado, mas a partir de agora posso acertar." Na vida de todos nós há pontos de que sabemos que erramos, mas temos que ter humildade suficiente para reconhecer: errei, mas quero agora acertar.". Foi assim comigo, no começo quando conheci Drº Souto, Rodrigo e vc Hilton, protelei; mas pensei: " E se tudo o que fiz até agora foi errado? Vou ao menos tentar." E aqui estou " comendo" seus artigos, do Dr Souto, Do Rodrigo e comendo comida de verdade... Como diz o título: combatendo gordura com gordura..rsrs.

Abraços e parabéns mais uma vez por nos conceder tão dons artigos, através de suas traduções.
Que o Criador lhe conceda muita saúde e disposição...

Reply
avatar
Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores