A história completa por trás da mulher que perdeu 40kg em segundos

Tradução de Hilton Sousa. O artigo original está aqui.


real life stories stories 1 2
Olá, Mark,

Se você esteve na internet algumas semanas atrás, você pode ter visto um artigo ou dois ou seis sobre uma jovem que perdeu 40kg no decurso de um ano, completo com uma imagem GIF animada mostrando o progresso da metamorfose. O GIF animado tornou a minha história viral com as manchetes anunciando "Mulher perde 40kg em segundos". Bem, você acreditaria que aquela mesma garota é uma leitora ávida do MDA que atribui a maior parte da sua perda de peso ao estilo de vida paleo/primal ? É, sério!

Meu nome é Amanda, e minha decisão de me tornar Primal foi a melhor coisa que já me aconteceu... mesmo eu não sabendo que o estilo era chamado assim, na época.

As pessoas frequentemente me perguntam, "Quando foi que você decidiu perder peso ?" A resposta mais simples (e uma que, infelizmente, não foi apropriadamente publicada em minha recente descoberta pela mídia) é que eu não decidi; eu estava simplesmente cansada de estar cansada, e ao tentar corrigir isso, a perda de peso naturalmente se seguiu. Para contextualizar, vamos voltar ao dia ao qual eu me refiro carinhosamente como "O dia do acerto de contas".



Foi num sábado que de outra maneira seria esquecível, em abril de 2011, e eu fechei os meus olhos enquanto cautelosamente subia na balança do doutor. De uma forma que posso entender apenas como um esforço para aliviar o clima, minha médica murmurou enquanto gentilmente ajustava os contrapesos. “100kg” ela anunciou. Essa foi a primeira vez que eu me pesava em mais de 7 anos. Eu não mencionei esse fato à doutora; uma coisa era ter 24 anos de idade, 1,62m e ser obesa; outra coisa era admitir ignorância proposital sobre minha saúde para a pessoa à qual eu tinha delegado a tarefa de corrigi-la. Porque surpreendentemente o bastante, meu peso não era a razão para minha visita à doutora naquele dia (eu tinha me resignado a estar acima do peso anos antes). Desde o fim da faculdade (e consequentemente, morar sozinha), eu estava em um estado constante de fadiga e ansiedade. Eu ficava sonolenta durante o dia e completamente agitada à noite. Tinha indigestões horríveis, enxaquecas regulares, misteriosas cãimbras e uma miríade de problemas de pele... a lista é longa. Inicialmente, culpei a faculdade pelas dores-de-cabeça constantes e a falta de força de vontade pelo ganho insidioso de peso, mas à medida que eu (e meu desempenho acadêmico) continuava a sofrer, me tornei desesperada por respostas. Após uma bateria de testes, minha médica concluiu que eu estava "estressada". E sobre o ganho de peso ? "Falta de exercício".


Deixei  a clínica me sentindo inicialmente derrotada, mas naquele dia, uma simples e inabalável noção implantou-se em meu cérebro: deve haver algo que deixaram passar. Esse sentimento ranzinza me levou a uma busca por conhecimento. E após meses e meses vasculhando a internet, lendo artigos e mesmo consultando dois outros profissionais médicos, eu ainda tinha apenas teorias. Em um esforço de última hora, uma nutricionista amiga recomendou que eu tentasse eliminar da dieta os alérgenos mais conhecidos (glúten/trigo, milho, soja, ovos, nozes, lactose, caseína, mel, etc) por 30 dias, depois lentamente fizesse a reintrodução dos mesmos visse como eu me sentiria. A idéia de alguma dessas comidas pudesse me causar dor pareceu totalmente contra-intuitiva a tudo que eu fora ensinada sobre nutrição, mas eu estava cansanda de estar cansada, então achei que valia a tentativa.


Então, em 20 de julho de 2011, eu fiz uma reformulação completa da minha dieta e comecei a "comer limpo", como eu chamei. Em poucos dias, me sentia melhor. Eu ficava mais alerta durante o dia. Tinha menos dores de cabeça. Estava menos irritável. Dormia como um bebê. Eu estava tão extasiada com meus níveis de energia altos, que não percebi que minhas roupas estavam ficando um pouco frouxas. Percebendo que eu provavelmente devia aprender com meus erros anteriores, decidi comprar uma balança, tirar uma foto do "antes" e, apenas por diversão, manter um registro se eu tinha ou não perdido algum peso.


Em 5 de agosto, eu tinha perdido 8kg.

Eu não estava contando calorias, praticando racionamento de porções, ou mesmo me exercitando (bem, exceto pela caminhada de casa para a aula e vice-versa). Havia me dedicado a "comer limpo" para deixar de me sentir um lixo, e o peso simplesmente continuava sumindo.

Depois dos primeiros 30 dias, reintroduzi os ovos na minha dieta sem efeitos discerníveis. Duas semanas depois disso, nozes e laticínios com pouca lactose se juntaram à festa, também sem efeitos negativos perceptíveis. Duas semanas após isso, no entanto, foi o meu aniversário. Depois de quase dois meses sem pão, eu tinha me convencido que merecia apenas uma fatia grossa e caramelizada de rabanadas (um dos meus antigos pratos favoritos) para celebrar meu 25o ano de existência. Cerca de 15 minutos após consumir a dita fatia de delícia, eu soube que tinha cometido um grande erro. Quase imediatamente, tive uma horrível cólica estomacal. 30 minutos depois que a dor passou, eu mal conseguia manter os olhos abertos. Estava com dor, mal-humorada e exausta... e eram apenas 10 da manhã! Produtos com açúcar e trigo eram claramente problemáticos para mim, e eu rapidamente aprendi que podia não apenas viver sem eles, mas que podia florescer sem eles.

Também comecei a contar calorias, apesar de não intencionalmente a princípio. Como a maioria das minhas refeições consistia de ovos/carnes/peixes e vegetais, eu me satisfazia rapidamente com quantidades de comida significantemente menores do que as que eu costumava comer. Ao longo do tempo, naturalmente comecei a comer menos e menos. Puramente por curiosidade, comecei a manter um "diário de comida" para descobrir quantas calorias eu consumia para me manter saciada. Fiquei feliz ao descobrir que estava comendo em déficit calórico sem perceber! Na média, eu estava consumindo cerca de 1300-1400 calorias por dia, que para alguém vivendo um estilo de vida sendentário como eu estava, mostrou-se ser comida mais que suficiente.

Dizer que me senti bem é eufemismo. Pela primeira vez em muitos anos, parecia possível para mim estar no controle da minha saúde. Mas além da evidência anedótica e muita tentativa e erro, eu realmente não tinha idéia do que estava fazendo. Foi então que descobri o Mark’s Daily Apple, e tudo se encaixou. As explicações e introspecções do Mark reafirmaram o princípo central da minha própria mudança circunstancial de estilo de vida: graças à genética e à química corporal, comer algumas comidas vai fazer você se sentir terrível. Não comer estas comidas provavelmente vai fazer você se sentir melhor.

Depois de ainda mais pesquisa, voltei à minha dieta e comecei a aplicar proporções cetogênicas de macronutrientes às minhas escolhas paleolíticas de comida - uma combinação que provou ser bastante poderosa para o meu estado apenas-marginalmente-ativo. Comecei a postar sobre meus esforços em um adorável site chamado Reddit, no qual encontrei uma comunidade fantástica de pessoas buscando melhorar suas vidas através da reconquista de sua saúde. Enquanto postei meu conjunto "final" de fotos do progresso e conselhos lá, mais de 1 ano atrás, foi na verdade uma re-postagem das minhas fotos feita por um redditor (N.T.: usuário do Reddit) anônimo uma semana atrás (fato completamente ignorado por mim) que trouxe a minha história para notoriedade mais recente.


Não tem sido fácil colocar toda a minha história lá fora. Muitos veículos de mídia queriam simplificar e destilar meus esforços em frases curtas; outros recusaram-se explicitamente a falar sobre minha dieta, já que me alimentar alegremente de gordura saturada, descartar grãos e não me exercitar simplesmente não se encaixa na narrativa convencional de "dieta". Tem sido muito frustrante por vezes, mas para cada notícia enganadora na mídia, eu consigo perto de uma dúzia de pessoas me seguindo no Reddit e me perguntando sobre minha história. Não preciso dizer que compartilhar o link do Mark's Daily Apple é quase que meu trabalho diário :-D


Já se passaram pouco mais de 2 anos desde que decidi reclamar minha saúde através da dieta paleo/primal com um toque "ceto". Admito que ainda estou trabalhando na parte "mova-se mais" da equação que compõe o estilo de vida. Minha abordagem tornou-se certamente menos "ceto" e mais paleo enquanto tento aumentar meu nível de atividade (por exemplo, incorporar mais carboidratos em dias de malhação), e estou dando um passo atrás e lendo todas as postagens do fórum de fitness do MDA com um novo nível de apreciação e zelo. Não posso esperar para ver o que o próximo capítulo da minha descoberta da saúde vai mostrar, e honestamente, eu não me importo se for a única por perto para presenciar isso :-D


Um milhão de agradecimentos ao Mark e a essa incrível comunidade por tudo o que vocês fazem. Sejam excelentes uns para os outros, e Grok On!

-Amanda

Recomendado para você

1 comentários:

Click here for comentários
Adolfo Neto
admin
5 de outubro de 2013 06:31 ×

Fantástico! Obrigado pela tradução, Hilton!!!

Congrats bro Adolfo Neto you got PERTAMAX...! hehehehe...
Reply
avatar
Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores